Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Pride

Outubro 29, 2015

pride or.jpg

 

Em 1984, Margaret Tatcher encontrava-se no poder do Reino Unido utilizando políticas extremistas para conseguir recuperar o país da crise financeira em que se encontrava. Uma dessas políticas foi o fecho de muitas das minas existentes no seu território o que originou um sem número de greves por parte dos sindicatos dos mineiros.

Sem romperem greves e logo sem salários as comunidades mineiras atravessaram graves crises económicas e sociais, chegando muitos a não ter o que comer. Entretando em Londres iniciavam-se as primeiras paradas gay onde saiam à rua as consideradas até então aberrações sexuais que eram excomungadas por toda a sociedade.

Quer em Londres quer na pequena vila mineira do País de Gales o desrespeito pelos valores humanos eram exatamente os mesmos. Assim a comunidade gay decidiu criar um grupo de apoio aos mineiros de forma também a terem mais aceitação e visibilidade pública.

Conseguiram verbas significativas para ajudar as famílias dos mineiros, mas o sindicato dos mesmos sentiu-se um pouco envergonhado de receber os valores desta comunidade. Assim o grupo de jovens londrinos decide embarcar numa aventura e partir para Gales para entregar os donativos pessoalmente.

Inicialmente o caos, depois o ínicio de uma amizade que fez com que no ano seguinte a gay parade desfilasse por Londres encabeçada pelos sindicatos dos mineiros.

Uma história que nos faz pensar sobre a compreensão face às diferenças dos outros, uma história que nos permite seja qual for o caminho a lutar para alcançar os sonhos, uma história que conclui que A união faz a força. E Força é poder.

Um filme de 2014 que mistura drama, comédia e fatos reais e que nos faz passar bons momentos. Dirigido por Matthew Warchus e com interpretações de Bill Nighy, Imelda Staunton e Paddy Considine.

As críticas foram boas e por isso em breve surge uma sequela – Pride 2.

Slide7.JPG

 

Phoenix - O Renascer das Cinzas

Outubro 28, 2015

phoenix or.jpg

 

Decorria o ano de 1945 na Alemanha quando Nelly Lenz uma sobrevivente dos campos de concentração nazi surge como uma verdadeira fénix renascida das cinzas. Apesar de ter escapado à morte, foi brutalmente espancada o que lhe deixou o rosto completamente desfigurado. É lene Winter que a acolhe e que cuida dela, levando-a para Berlim ajuda-a de todas as maneiras possíveis.

Após diversas cirurgias plásticas e apesar de ter pedido aos seus cirurgiões para lhe darem a própria identidade, fica diferente o que faz com que entre num processo de drama e depressão. Decide então procurar o seu marido que não vê desde o inicio da guerra, Johny, que tudo indica ter sido o próprio a denunciá-la às autoridades alemãs.

O encontro acaba mesmo por acontecer, mas o marido apesar de a achar parecida com a mulher que julgava morta, não a reconhece verdadeiramente, decide então utilizar esta mulher como sua falsa esposa para poder reclamar a herança e a indemnização correspondente. Nelly de forma a descobrir a verdade aceita o desafio de se fingir de uma mulher que é ela realmente.

A partir daí estão dos dados lançados para um arrepiante drama de Chritian Petzold, baseado na obra “Le Retour dês Cendres” de Hubert Monteihet.

Interpretações maravilhosas e desafiantes de Nina Hoss, Ronald Zehrfeld e Nina Kunzendorf que conseguiram obter em 2014 o Prémio da crítica Internacional no Festival de Cinema de San Sebastián – País Basco – Espanha.

Slide7.JPG

 

Bolo de Banana e Chocolate

Outubro 27, 2015

bolo banana chocolate.jpg

 

Uma delicia!

Ingredientes

  • Farinha 300 g
  • Vaqueiro Sabor a Manteiga 100 g
  • Açúcar 400 g
  • Ovos L 4 unidade
  • Bananas maduras 3 unidade
  • Buttermilk* 350 ml
  • Fermento Royal 1 colher café
  • Bicarbonato de Sódio 1 colher de café
  • Sal 1 pitada
  • Extrato de baunilha 1 colher de chá

Ganache de chocolate

  • Chocolate 100 g
  • Nata 100 g

Mãos à obra

Pré aqueça o forno a 170º C e unte uma forma com manteiga e farinha, se tiver papel vegetal é mais limpo e seguro.

Na batedeira, coloque a manteiga e o açúcar, e bata até obter um creme. Adicione os ovos, um a um sem deixar de bater. Adicione o extrato de baunilha.

Noutra tigela, peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio e o sal. De seguida envolva os sólidos com a mistura líquida. Comece com a farinha e acabe também com a farinha. Por fim adicione a banana esmagada, envolvendo muito bem apenas com uma espátula.

Coloque na forma e leve ao forno por 50 minutos, ou até fazer o teste do palito e o mesmo sair limpo. Retire do forno e deixe repousar numa grelha, ainda na forma durante dez minutos.

Retire da forma com muito cuidado e deixe arrefecer por completo.

Caso queira fazer o ganache de chocolate, aqueça as natas e lentamente vá colocando os pedaços de chocolate por cima, sem deixar de mexer com a vara de arames até o chocolate derreter por completo. Verta o ganache ainda quente por cima do bolo. Para uma solução mais light abdique do ganache e misture duas colheres de sopa de cacau junto com a farinha.

Caso não encontre no supermercado Buttermilk tem outra opção: Adicione ao leite duas colheres de sopa de sumo de limão e deixe repousar dez minutos até ficar coalhado.

Mulheres nomeada para Emmy Internacional

Outubro 06, 2015

emmy.jpg

 

E o que será que vão dizer os famosos críticos intelectualóides de esquerda a mais uma nomeação dos Emmys Internacionais a uma telenovela portuguesa?

Afinal a ficção portuguesa não deve ser assim tão má.

As mulheres telenovela da TVI acaba de ser nomeada para o prémio de melhor telenovela aos Emmys internacionais, ao lado de uma produção brasileira- Império exibida na SIC, a uma produção angolana que a RTP exibiu e a uma produção de lingua espanhola.

Uma coisa é certa existe 75% do vencedor falar português.

Mulheres é uma telenovela que conta a história de um grupo de mulheres e dos seus problemas diários que acabam por se unir numa imobiliária e em conjunto além do sucesso profissional conseguem atingir a felicidade pessoal. Protagonizada por sofia Alves e Fernanda Serrano conta ainda no elenco com Paula Lobo antunes, Jessica Athayde, Gabriela Barros, Maria Ruef, Susana Arrais e Sofia Ribeiro.

Se conseguirmos vencer será o 3º Emmy para a ficção portuguesa, mas a nomeação já é positiva e por isso parabéns a todas as produtoras de televisão

 

E os vencedores da noite eleitoral foram... Todos

Outubro 05, 2015

legislativas 15.jpg

 

E ontem foi dia de eleições legislativas que visavam encontrar o novo governo para os próximos 4 anos (se chegarem ao fim sea quem for).

O povo foi às urnas, apesar da elevada abstenção que continuou com numeros superiores aos de há 4 anos atrás, e elegeu a coligação Portugal à Frente composta pelo PSD e CDS-PP como os grandes vencedores da noite, apesar de não lhe atribuírem a maioria absoluta que tanto pretendiam.

Mas afinal quem foram os verdadeiros vencedores desta noite?

Basta ouvir com alguma atenção os discursos dos diferentes partidos políticos que percebemos que todos eles ganharam.

Passos Coelho e Paulo Portas gritaram a vitória obtida e uma vez que não conseguiram a maioria absoluta gritam aos socialistas para um acordo parlamentar.

Bloco de Esquerda foi outro vencedor da noite conquistando o maior resultado de sempre e tornando-se no 3º partido com maior representatividade parlamentar.

O outro vitorioso foi o PAN - Partido dos animais e natureza que conseguiu pela primeira vez um deputado eleito para a assembleia.

Por fim o habitual vencedor mas que a cada eleição que passa tem menos votos, os mesmos deputados, e nunca passam do mesmo. Este ano até forma ultrapassados pelo BE. A CDU com coligação do PCP e dos Verdes piorou o numero de votos face às ultimas eleições. No final os comunistas gritaram vitória. Não consigo perceber qual o designio para este grito, mas enfim.

Depois ainda temos o PS, que depois de levar a maior vergonha eleitoral da história (conseguiram não ganhar a um governo Toikano) o seu secretário geral não se demitiu e ainda passou a noite a discursar medidas do seu plano. Parece que tinha ganho alguma coisa. Oh Costa, Costa!

Agora o futuro a deus pertence, quem constituirá o próximo governo? Vai existir acordo para um bloco central? A esquerda vai unir-se? Cavaco convocará novas eleições? Vamos esperar para ver.

Eu na minha modesta opinião apenas tenho de felicitar o Bloco de Esquerda na pessoa da Catarina Martins, uma lider mulher que conseguiu inverter os resultados anteriores de um partido novo quase falecido, para uma grandiosa revelação. Não contou com o meu voto, mas tenho de concordar que foi sem sombra de dúvidas a melhor prestação em toda a campanha eleitoral.

Para finalizar, Portugal só com PAF poderá não ir para a frente, por isso gostaria de ver os agentes políticos de esquerda a negociarem seriamente para defender o nosso país e o nosso povo, ficando de fora ideologias politicas que só servem para enfraquecer a nossa democracia. Cabeças pensantes de grande qualidade existem em todas os quadrantes políticos, portanto gostaria de ver uma união entre estas gentes.

Aquilo que anseio também é que o próximo presidente da assembleia seja uma pessoa capaz. Com a composição da assembleia provavelmente será alguém de ideologia mais "canhota" pelo que rezo para que não se lembrem de Ferro Rodrigues ou Ana Gomes para esse lugar. Precisamos de grandes cabeças mas não de grandes cabeçudos.

E estreou a República das Bananas

Outubro 02, 2015

rep bananas.jpg

 

Estreou na passada 4ª feira o novo espetáculo de Filipe La Féria no Teatro Politeama. Ao jeito do que nos tem habituado ultimamente o espetáculo é uma junção da comédia e crítica mordaz à atualidade existente na tradicional Revista à Portuguesa e uns números musicais que nos remetem para espetáculos da Broadway ou do cabaret francês.

E o que se pode dizer deste espetáculo?

É mais um espetáculo ao estilo do La féria a que toda a gente está habituada. Muita cor, muita música, um guarda-roupa riquíssimo, e alguns números que nos fazer chorar a rir, mas apesar da fórmula resultar para a maioria do público que continua a esgotar todos os seus espetáculo, está na hora do autor inovar.

Esta peça é encabeçada por Rita Ribeiro, José Raposo, Anabela e Ricardo Castro. O elenco é sustentado ainda por Bruna Andrade, Ricardo soller, Paula Sá e Patricia Resende. Se bem que na maioria dos números quer cantados quer representados, todo o elenco e corpo de baile estão bem, há obviamente figuras de destaque pela positiva e pela negativa.

Pela visão negativa temos a prestação diminuta de Anabela, que além da pequena participação (apenas 2 ou 3 números cantados) é uma presença enfraquecida e frágil, longe dos tempos em que brilhava no my fair lady ou no musica do coração.

Depois temos Rita Ribeiro, que já não tem a força de outros tempos, mas que continua com bastante genica, só é pena cantar alguns números em playback. Devia de ser proibido. Mas a Rita consegue confundir a minha opinião. Se por um lado quebra e falta ritmo ema algumas cenas, por outro lado consegue recordar-me no seu numero dramático final a Rita Ribeiro do Passa Por Mim no rossio. Enfim...

Depois tenho de dar os parabéns aos dois atores principais do elenco, Ricardo Castro agarrou todos os seus papeis com unhas e dentes e promete manter-se como referencia neste género teatral. Depois o mestre atual da revista José Raposo, já o vi em muitos espetáculos e nunc ao vi desgastado, quando sobe ao palco dá o tudo por tudo, sua, cospe-se, vibra, sente-se os nervos não do medo mas da responsabilidade, dá pica vê-lo representar.

Por último tenho de parabenizar os esforço de duas jovens atrizes Patricia Resende e Bruna Andrade, cantam bem, dançam bem e acima de tudo representam muito bem sendo bastante camaleónicas e transformando-se em todos os seus papeis.

Para finalizar quer apenas lembrar o numero de homenagem à Carmen Miranda (que começa com o Tico Tico - já vi isto em qualquer lado), muito bem interpretado por Paula só.

Não é o melhor espetáculo de La Féria, mas continua de boa qualidade, e acima de tudo é dos poucos que mantém vivo a tradição da revista à portuguesa viva.

Slide7.JPG

 

E ontem cheguei aos 32...

Outubro 02, 2015

Presentation1.jpg

 

Para a maior parte dos comuns mortais o dia de aniversário é um dia que celebram com grande festividade, rodeado de amigos, familiares, e intrusos. Eu sou diferente...

Para mim é mais um dia no calendário que passa, é um dia igual a tantos outros com a diferença que fico mais velhito.

Ainda me recordo por ansiar ter 16 anos para tirar a carta de moto, depois os 18 para ser maior de idade, depois o receio de fazer 30, mas agora apenas quero chegar aos 100, será sinal de uma vida longa, e espero que a consiga saborear como tenho feito até aqui.

O importante é manter a minha cabeça fresca, jovem, ativa, criativa e sonhadora, assim serei feliz.

E por tanto aquilo que quero para mim é Felicidade com todos os apêndices que a ela se obrigam.

 

Mil Vezes Boa noite

Outubro 01, 2015

PS_20150930120544-1.jpg

 

A vida desenrola-se à frente de todos, todos vemos as mesmas coisas, os mesmos factos, os mesmos acontecimentos, mas há uns que apesar de verem não acreditam ou simplesmente não querem ver. Depois há aqueles que realmente não viram, e há aqueles que nada fazem para evitar o que estão haver. Depois existem olhares que vêm, que sofrem e que querem mudar as coisas que viram, querem fazer parte da mudança para não as ver mais.

Mil vezes Boa noite, é um filme que retrata esse desejo de mudança de ver e fazer mais do que isso. Rebecca é uma fotojornalista de renome internacional, uma das melhores fotojornalistas do mundo que se encontra permanente em cenários agrestes de guerra. Um dia na sua obsessão de captar o final trágico de uma mulher bombista no Afeganistão acaba por ficar gravemente ferida.

Em recuperação na sua Irlanda, Rebecca depara-se com um dilema de vida a escolha da sua profissão que a deixa sempre em perigo ou a sua família. De forma a aproximar-se da família, especialmente da sua filha mais velha que partilha com ela os mesmos gostos humanitários, parte para o Quénia para fotografarem um campo de refugiados.

Quando estava garantido que não existia nenhum perigo, nesse mesmo campo de refugiados surgem guerrilhas de tribos diversas e começa um tiroteio. No meio da chuva de balas, obriga a sua filha a fugir e fica no local do conflito mais uma vez em busca da realidade, do relato do real, de documentar a Vida.

Um filme dramático assinado pelo norueguês Erik Poppe, que se inspirou nas muitas experiências como repórter fotográfico (algumas obras do autor: Schpaaa e águas agitadas).

Um filme de 2014 fabuloso, mágico, intrigante e fascinante com Juliette Binoche, Nikolaj Coster-Waldau (que a maioria conhece da Guerra dos Tronos) e Lauryn Canny nos principais papeis. De destacar Binoche que é irrepreensível neste desafio.

Apenas posso concluir como Brutalmente bom.

Trailer oficial

 

Le Profs - os piores professores de França

Outubro 01, 2015

PS_20151001141314.jpg

 

E se uma escola secundária tiver maus resultados nos exames nacionais? A escolha acertada do ministério de educação seria reforçar e garantir a competência dos professores que lá lecionam e garantir a qualidade do ensino.

Poderia ser esta se não existisse nos corredores do ministério secretários que ambicionam o mal do ministro e que querem a cadeira do poder, aí a solução é simples: contratar os piores professores do país e coloca-los à frente dos alunos finalistas do secundário.

Esta é a premissa para Les Profs, filme francês de 2013 do realizador Pierre François Martin-La Val baseado na banda desenhada francesa com o mesmo nome.

Uma comédia que não colheu as melhores críticas cinematográficas, mas que na minha opinião é uma excelente comédia para nos divertirmos, aliás acho que seja essa a verdadeira função de um filme cómico.

A história é simples, mas está recheada de personagens fantásticas e que daria a qualquer actor muito gosto em as trabalhar. Claro que além dos alunos do liceu, em especial Boulard o repetente e indiscplinado aluno, quem realmente brilha são os “profs” – os 7 magnificos – Amina, A bonita e gostosa professora de Francês, o enigmático Maurice professor de Filosofia, o louco e desastrado Albert professor de química, o fatigado e zen professor de matemática Cutiro, o exigente e militarizado professor de desporto Eric, a doida-varrida professora de Inglês e o pretende a professor de história e apaixonado por Napoleão Polochon. Os 7 vão virar a escola do avesso mas no final…

O final pode ser surpreendente por isso deixo em aberto para quem o queira ver.

Destaque para Pierre François Martin La Val que desempenha o papel de Polochon, Christian clavier no papel de Cutiro e Isabelle Nanty na louca Gladys.

Apesar das críticas este ano vai haver sequela – prof 2.

Um pequeno trailer do filme. Divirtam-se

 

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D