Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

"Morta por dentro, mas de pé, de pé como as árvores" - Brevemente As árvores morrem de Pé

Julho 29, 2016

 

FB_IMG_1469780284272.jpg

Tudo começa numa sociedade/ organização que pretende fazer o bem com a criatividade e a criação de poesia.

Chega um dia um velhote ao escritório com um pedido especial: Existia um neto que se tornou um rufia, um boémio, mas a sua avó não sabe das suas façanhas. Ao longo de vários anos este avô foi enganando a mulher com cartas escritas por si dizendo que o seu neto era um arquiteto de sucesso.

Mas há um dia em que este neto realmente envia um telegrama a dizer que vai regressar, no entanto acaba por morrer num naufrágio.

O Velho para satisfazer a sua esposa decide então contratar um casal que se finja passar pelo neto e sua mulher. Tudo corre bem, o casal finge e a avó parece não desconfiar de nada, até que surge o verdadeiro neto que afinal não viajou no navio naufragado e está de perfeita saúde.

Uma comédia de erros, que alcançou um enorme sucesso no teatro português com representação da grandiosa Palmira Bastos, que com 90 anos batia a bengala no chão e dizia como ninguém: “Morta por dentro, mas de pé, de pé como as árvores".

Em Agosto, Filipe Lá Féria, volta a cena com esta obra de Alejandro Casona, uma comédia de costumes espanhola que promete reviver os bons tempos de Teatro em Portugal.

À frente do elenco contará com os veteranos e consagrados atores: Eunice Munoz, Manuela Maria, Rui de Carvalho e João D’Ávila.

Terá ainda a participação de Maria João Abreu (que brilhou recentemente no Teatro aberto com a peça Boas Pessoas), Carlos Paulo (que acaba de protagonizar na Comuna O Último dos Românticos), Hugo rendas, Patricia Resende, Ricardo Castro, Rosa Areia, Paula Fonseca e João Duarte Costa, entre outros.

Posteriormente a análise ao espetáculo.

 

simbolos secunsdarios cor-02.jpg 

logo com assinatura vertical cinza.jpg

 

 

 

 

Um dia por Abu Dhabi

Julho 28, 2016

Slide1.JPG

 Abu Dhabi é a capital dos emiratos árabes unidos e também o maior deles. Uma extensão por mais de 67000 km2 que equivale a 86% do total do país. Tem um litoral extenso com mais de 400km onde não faltam as inúmeras praias de areia fina sobre um mar azul do golfo Pérsico. A cidade propriamente dita tem vindo a desenvolver-se e podemos ver um misto de casas típicas emiratenses e os tradicionais arranha-céus dos EAU. Com uma diversidade cultural extensa é também um ótimo local para passear e visitar. Com uma história que remonta a 3000AC, são visíveis muitos factos arqueológicos de relevo, bem como uma economia assente no comércio de pérolas que remontam aos século XVII. 1930, é a data da descoberta de Petróleo nesta região (a única ativa nos EAU) e a partir daí assiste-se a um desenvolvimento de todo a região, bem como da sociedade.

Slide2.JPG

A nossa aventura começou na grande mesquita do Sheik Zayed, inaugurada em 2007 apresenta uma belíssima e luxuosa arquitetura. É considerada a terceira maior mesquita do mundo com capacidade para acomodar 40000 fiéis. Detém 80 cúpulas brancas e 4 minaretes. Os seus pátios são ladeados por mais de mil colunas de mármore branco italiano e com milhares de cristais incrustados. O seu interior é conhecido por deter o maior tapete do mundo que pesa mais de 47 toneladas e que foram necessárias 1200 artesãs para o concluir em tempo recorde. Pendurado nas abóbadas os candeeiros de pedras preciosas e cristais swarovski.

Slide3.JPG

Slide4.JPG

A visita continua pela Yas Island, uma ilha artificial com mais de 25km2 onde podemos encontrar a “cidade nova” repleta de arranha -céus e infraestruturas turísticas. Foi nesta ilha que visitámos o Circuito Yas marina – pista do circuito de fórmula 1 mundial, e o Ferrari World que além de parque temático de diversões oferece um museu da Ferrari. Um ótimo momento de descontração para passear, principalmente para grandes amantes do mundo automóvel.

Slide5.JPG

Slide6.JPG

Depois podem optar por diversos locais a visitar, nós tentámos visitar o máximo no mais curto espaço de tempo, pois só tivemos um dia por aqui. Por isso uma das nossas escolhas recaiu sobre o Emirates Palace Hotel. Parece ridículo ir a um país visitar um hotel e centro comercial, mas garanto que vale a pensa o tempo empregue. Este edifício é o antigo palácio real dos EAU e um marco de Abu Dhabi, combinando um esplendor árabe com a mais avançada tecnologia. Durante o dia as cores douradas do edifício contrastam com os seus extensos jardins verdejantes, as fontes de água prateadas e o céu azul. O interior é verdadeiramente deslumbrante repleto de ouro, madrepérola, mármore e cristais. As peças de arte dominam o espaço bem como mobiliário de luxo.

Slide11.JPG

Slide12.JPG

 

Para almoçar ou lanchar são inúmeras oportunidades desde o próprio Emirates Palace onde todos os pratos levam um apontamento de folha de ouro ou uma simples banca de rua com comida típica. Poderia aconselhar algum local mas não o vou fazer por uma simples razão. Aquando a minha viagem, encontrávamo-nos em pleno Ramadão, e devido ao forte apelo à religião e cumprimento cultural, Abu Dhabi não sendo tão “aberto” como o Dubai cumpre as leis do islão à risca. Por isso nós tal como todos os islâmicos cumprimos o Ramadão, nem comida, nem bebida, nem água senão para refrescar a testa e lavar o corpo para a visita à mesquita.

Slide7.JPG

Para finalizar o dia passamos pela EAU Heritage Village, uma vila oásis tradicional para percebermos a vida passada deste país, de certa forma é um museu ao ar livre, com casas, oficinas de artesãos, artefactos e tendas comerciais de artesanato. Aqui podes conhecer também a vida no deserto com o acompanhamento beduíno recriado. Além disso tens uma praia fabulosa à disposição.

Slide8.JPG

Slide10.JPG

Esta viagem permitiu ver de perto a religião, a cultura e a riqueza deste país.

Slide9.JPG

 

A Revolta do Homem

Julho 27, 2016

a revolta do homem.jpg

Não há revolta no homem

que se revolta calçado.

O que nele se revolta

é apenas um bocado

que dentro fica agarrado

à tábua da teoria.

 

Aquilo que nele mente

e parte em filosofia

é porventura a semente

do fruto que nele nasce

e a sede não lhe alivia.

 

Revolta é ter-se nascido

sem descobrir o sentido

do que nos há-de matar.

 

Rebeldia é o que

na nossa mão um punhal

para vibrar naquela morte

que nos mata devagar.

 

E só depois de informado

só depois de esclarecido

rebelde nu e deitado

ironia de saber

o que só então se sabe

e não se pode contar.

 

Do sentido trágico da vida de Natália Correia em Poemas

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D