Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Bolo de Banana e Chocolate

Outubro 27, 2015

bolo banana chocolate.jpg

 

Uma delicia!

Ingredientes

  • Farinha 300 g
  • Vaqueiro Sabor a Manteiga 100 g
  • Açúcar 400 g
  • Ovos L 4 unidade
  • Bananas maduras 3 unidade
  • Buttermilk* 350 ml
  • Fermento Royal 1 colher café
  • Bicarbonato de Sódio 1 colher de café
  • Sal 1 pitada
  • Extrato de baunilha 1 colher de chá

Ganache de chocolate

  • Chocolate 100 g
  • Nata 100 g

Mãos à obra

Pré aqueça o forno a 170º C e unte uma forma com manteiga e farinha, se tiver papel vegetal é mais limpo e seguro.

Na batedeira, coloque a manteiga e o açúcar, e bata até obter um creme. Adicione os ovos, um a um sem deixar de bater. Adicione o extrato de baunilha.

Noutra tigela, peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio e o sal. De seguida envolva os sólidos com a mistura líquida. Comece com a farinha e acabe também com a farinha. Por fim adicione a banana esmagada, envolvendo muito bem apenas com uma espátula.

Coloque na forma e leve ao forno por 50 minutos, ou até fazer o teste do palito e o mesmo sair limpo. Retire do forno e deixe repousar numa grelha, ainda na forma durante dez minutos.

Retire da forma com muito cuidado e deixe arrefecer por completo.

Caso queira fazer o ganache de chocolate, aqueça as natas e lentamente vá colocando os pedaços de chocolate por cima, sem deixar de mexer com a vara de arames até o chocolate derreter por completo. Verta o ganache ainda quente por cima do bolo. Para uma solução mais light abdique do ganache e misture duas colheres de sopa de cacau junto com a farinha.

Caso não encontre no supermercado Buttermilk tem outra opção: Adicione ao leite duas colheres de sopa de sumo de limão e deixe repousar dez minutos até ficar coalhado.

Don Calzone em Janas desagradou

Agosto 24, 2015

logo.png

 

Durante este fim de semana, mais propriamente no sábado fui jantar a um restaurante italiano perto da casa dos meus pais que já conhecia há imenso tempo.

O Restaurante chama-se Don Calzone e era um dos meus restaurantes italianos preferidos, com uma ementa vasta mas com produtos de extrema qualidade.

No entanto, fiquei bastante desiludido, pois a qualidade da confeção piorou bastante face aos parâmetros a que estava habituado. É certo que não passou para um escalão de desagrado total mas também deixa muito a desejar.

O carpaccio que serviu de anti-pasti era seco e sem qualquer sabor fenomenal, acho que compraram em qualquer superfície comercial daquele embalado e dispuseram-no sobre uma cama de rúcula com 3 pingos de balsâmico para disfarçar.

Numa divisão de pratos provámos um calzone quatro estação, uma simples pizza de queijo e fiambre e tortellinis com recheio de ricota. Se bem que o calzone estava bem recheado e com produtos que aparentavam algum cuidado, por exemplo os camarões grandes e bem confecionados, a piza simples está do pior. O molho de tomate lembrava molhos comprados em hipermercados e dispunha sem qualquer gosto e cuidado fatias gigantes de fiambre.

Os tortellinis estavam bem cozidos, mas o seu recheio haveria de estar em qualquer outro local porque no meu prato não o encontrei, salvou o molho de tomate com cogumelos e Baco que envolvia aquela pasta.

As sobremesas salvaram a noite com os profiteroles regados com chocolate, gelado e natas e a pannacota deliciosa.

Final das contas acho bem que voltem a esforçar-se por conseguir manter a cliente, porque caso contrário correm o risco da má reputação.

Dou o beneficio da dúvida, pois o cozinheiro poderia estar de férias, em todo o caso é preciso cuidado na diferença de pratos que servem.

Slide2.JPG

 

Restaurante A Cidade em Lisboa

Agosto 13, 2015

C__Data_Users_DefApps_AppData_INTERNETEXPLORER_Tem

 

As Rotas do mundo como tem sido habitual, tem dado a conhecer alguns restaurantes que tem frequentado, alguns deles já muito na berra, outros que estão agora a começar a sua travessia.

Aqui na Praça Sá Carneiro, no Areeiro, Lisboa, abriu há alguns/ poucos meses o Restaurante A Cidade, em estilo jovem e moderno mas que mistura também o tradicional.

Um restaurante pequeno mas bastante acolhedor que mistura o mobiliário rústico em cores brancas com padrões tradicionais mais modernos, e uma envolvência de tradicionais azulejos portugueses. Na rua uma boa esplanada para umas tardes e noites quentes oferecem mais alguns lugares a este local.

A ementa não é muito diversificada centrando-se numa saudável e moderna fast food, mas aparenta boa qualidade, sabor e originalidade. Aqui os pratos variam entre pizzas com nomes de bairros de Lisboa, saladas com nomes de fadistas, francesinhas à moda do Porto, os seus rissóis da cidade (em massa de pizza que não deixam de ser uma espécie de calzones) e os hambúrgueres em estilo “light gourmet”.

C__Data_Users_DefApps_AppData_INTERNETEXPLORER_Tem

 

De tudo o que já experimentei, pois é um excelente e acessível restaurante para frequentar também à hora de almoço destaco a francesinha à bulhão bem recheada de boas carnes e com um molho bastante saboroso, e as pizzas de massa fina mas bastante “recheadas” de saborosos ingredientes.

C__Data_Users_DefApps_AppData_INTERNETEXPLORER_Tem

 

Na carta poderá encontrar diversas bebidas, desde o fresquinho vinho verde à pressão, às caipirinhas ou aos gins (que tanto estão na moda).

A equipa é bastante jovem mas muito dedicada e simpática, sempre disponível e que prima pela qualidade do serviço.

Uma boa e barata opção quer para almoçar, jantar, ou simplesmente beber um copo ao final da tarde.

Slide3.JPG

 

Saturday Dinner Life

Agosto 10, 2015

GINS.jpg

 

E este Sábado foi dia de jantar de familia na minha casa.

A Ementa foi algo trabalhosa mas penso que o resultado final foi bom.

Para abrir o apetite uns gins com mirtilos e estrela de aniz bem fresquinhos, ao que parece era bom, mas como não sou um gin lover despensei e agarrei-me logo à sangria de frutos vermelhos e romã.

Entrada composta por bruchetas com queijo chevre e framboesa regadas com mel, e uns chouriçõs assados para acompanhar uma broa de milho.

O Prato foi a minha especialidade Caril de Camarão. Estava bom mas já fiz muito melhor.

Para sobremesa umas espetadas de fruta e uns petit gateau com gelado de mascarpone e morango.

No final da noite acho que ficou tudo satisfeito, mas mais importante foi passar uma bela tarde e noite com a familia, irmãs, cunhado, primo e o meu afilhadinho mais novo.

Quando acabei de arrumar a casa, tomei um duche e deitei-me com a certeza de missão cumprida.

Jantar.jpg

 

Cup Cake de Baunilha com Chocolate

Agosto 05, 2015

WP_20150804_20_49_49_Pro.jpg

 

Ontem foi dia de me dedicar à cozinha e preparar uns deliciosos cupcakes para o lanche de hoje. A escolha foi algo simples cup cake de baunilha com pepitas de chocolate e com cobertura de um ganache cremoso. (receita para 24 doses)

Ingredientes para a massa:

250 gramas de farinha com fermento

250 gramas de açúcar fino

250 gramas de manteiga amolecida 

1 colher chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de essência de baunilha

4 ovos tamanho L

4 colheres de sopa de leite meio gordo

75 gramas de pepitas de chocolate

 

Ingredientes para ganache

200 gramas de chocolate de culinária (60% cacau)

200 gramas de natas

1 colher de sopa de açúcar

 

Preparação

Pré aqueça o forno a 170ºC.

Comece por juntar todos os ingredientes secos no balde de uma batedeira elétrica ou robot de cozinha, peneire a farinha em conjunto com o fermento, de seguida adicione o açúcar e bate ligeiramente para envolver os ingredientes.

De seguida junte a manteiga amolecida (deixe fora do frigorifico de um dia para o outro) e os ovos e bate durante algum tempo. Em caso de não ter batedeira elétrica vai ganhar músculo enquanto deixa a massa bastante cremosa e clara.

Por fim adicione o leite em conjunto com a baunilha. Assim que estiver bem batido adicione as pepitas de chocolates, mas envolva-as não bata demais.

Assim que a massa estiver pronta é só deitar nas formas (em caso de silicone despensa outros trabalhos, caso não tenha dá sempre jeito umas forminhas de papel) para elas ficarem a ¾.

Leve ao forno na mesma temperatura por 20 minutos.

A seguir é deixar arrefecer e enfeitar a gosto.

Caso opte por fazer um ganache de chocolate é bastante simples. Num tacho pequeno ponha as 200 gr de natas a aquecer em conjunto com o açúcar e parte o chocolate para dentro de um recipiente. Assim que as natas ferverem basta deitar sobre o chocolate e ir mexendo lentamente enquanto vai arrefecendo para misturar os ingredientes. A partir daí basta mergulhar o topo dos “queques” no ganache e deixar secar.

Delicioso, rápido e fácil.

WP_20150804_20_50_05_Pro.jpg

 

Noite Italiana - Top Food

Julho 31, 2015

restaurante.jpg

 

Ontem foi a minha noite dedicada aos roteiros gastronómicos.

A escolha recaiu na cozinha italiana, mais propriamente, no Restaurante Bella Lisa Valmor, um restaurante italiano na Av. Visconde Valmor, nº 65ª, em Lisboa.

O ambiente relaxante e com uma decoração a recriar uma qualquer casa italiana transporta-nos automaticamente para essas paragens, a música que entoa e a simpatia de todos os empregados deixam felizes, descontraídos e bem-vindos a este restaurante.

carpaccio.jpg

 

Como entradas vieram para a mesa um carpaccio de carne de vitela em cama de rúcula e regada com um balsâmico italiano e umas bruschettas de queijo de cabra com framboesa e mel. Uma combinação perfeita em ambos os casos para degustar e saborear os sabores italianos.

alla forma.jpg

 

Depois entramos nos pratos, a opção recaiu num risoto de cogumelos Puccini que estava verdadeiramente divinal, um sabor terreno e que verdadeiramente nos vibra o palato, e um maravilhoso spaghetti ala forma, massa esparguete carregado de um fabuloso queijo parmesão, com cogumelos portobello e óleo de trufas negras, foi mais um prato digno dos deuses.

Tudo isto a acompanhar uma bela sangria de espumante que nos refresca e que nos alegra.

Saliento além dos excelentes paladares, da frescura dos alimentos a dedicação e simpatia do chefe de sala com a sua presença disponível e afável.

Um ótimo local a visitar para quem aprecia cozinha italiana e com grande relação qualidade/ preço. 

Para terminar a noite, e apesar da chuva miúda que caía sobre Lisboa, o que com o claro que estava nos remetia para os trópicos, fui até ao Chiado degustar um belo gelado italiano. Fui até ao Santini, que frequento desde criança em Cascais mas o qual já não visitava há algum tempo. A escolha foi para mim a mais acertada e a habitual, uma combinação da frescura do limão com o doce da meloa, num magnifico cone de baunilha amendoado.

Noite TOP

Slide4.JPG

 

 

Nas margens do Paraíso: Terras de Ferreira do Zêzere

Julho 28, 2015

zezere.jpg

 

Segunda semana, segundo artigo sobre uma das zonas mais bonitas do nosso Portugal. Conhecer Portugal continua no Rotas do Mundo desta vez sobre as Terras de Ferreira do Zêzere - nas margens do Paraíso.

Esta pequena vila com cerca de 2000 habitantes está situada na região centro do nosso país, mais propriamente na sub-região do médio Tejo, distrito de Santarém. Ferreira do Zêzere é um pequeno município com 190 km2 de área e cerca de 8600 habitantes, que está localizado entre Tomar, Sertã, Ourém e Alvaiázere.

Terra de extrema beleza é por muitos conhecida das obras de Alfredo Kheil (autor de A Portuguesa) que por estas bandas se inspirou para a criação de telas e músicas como a ópera serrana. Desta terra são também figuras ilustres o historiador António Baião, que foi diretor da Torre do Tombo, e a grandiosa atriz portuguesa Ivone Silva.

local.jpg

 

A apenas 120km de Lisboa e a 170km do Porto a albufeira mais bonita da Europa está pronta para ser descoberta.

A História de Ferreira do Zêzere é bastante antiga, remonta mesmo ao período pré-histórico, bem visível nas grutas de Avecasta e nas sepulturas antropomórficas da Serra de São Paulo. Junto a este rio, e nestas encostas percorrem diversos povos, desde os romanos - vestígios que podemos apreciar na Serra de São Pedro Castro - até às aos mouros cuja sua permanência é visível em muitas heranças mouriscas.

Por estas bandas percorrem ainda senhores feudais, e ordens religiosas como os templários, tudo isto pode ser visto e estudado nos muitos monumentos, nas torres medievais, nos pelourinhos, nas igrejas, nas ermidas e nas casas e quintas senhoriais que estão erguidas por toda esta terra.

Ferreira do Zêzere não é apenas a vila, é um conjunto de pequenos lugares, aldeias e vilarejos que caracterizam estas paisagens e que faz desta albufeira natural do Zêzere um paraíso. Aconselho vivamente a partirem em busca de algumas.

Dornes é uma pequena vila pitoresca que está sentada à beira rio. O seu nome deriva dos drones que por ali eram transportados em chatas e barcaças (são barris de vinho) e tem também a sua origem na lenda medieval de Nossa Senhora do Pranto, a virgem que ainda hoje e desde há muitos anos acolhe multidões nos seus círios anuais que vêm dos mais variados locais do país.

dornes.jpg

 

Lago Azul, por muitos conhecidos pela sua praia fluvial, oferece aqui também o seu clube náutico para inúmeras práticas desportivas e tem pontos de turismo para todos os gostos – hotéis, restaurantes e cafés. É um pouco turístico e nos meses de Época alta pode ser confuso, mas é uma alternativa.

lagoa zul.jpg

 

Martinela é um pequeno sítio perdido nas serras de Ferreira do Zêzere mas que é visitável nem que seja apenas para apreciar as paisagens e o marco milenar que lá se encontra.

Rio Cimeiro este pequeno lugar é um mundo por descobrir. Aqui onde em tempos antigos se encontrava a ponte do vale da ursa, hoje submersa, é um local mágico. E para os mais aventureiros algo a explorar debaixo das águas do rio.

Pombeira é a aldeia ribeirinha do qual se obtém uma vista luxuriante sobre um grande pedaço deste rio. Aqui detém um parque de merendas bem equipado para quem quer relaxar debaixo das sombras das árvores ou um pequeno porto de embarcações para partir pelo rio adentro.

pombeira.jpg

 

Mas além destes vilarejos e lugares, Ferreira do Zêzere tem um património riquíssimo desde as casas e quintas senhoriais, muitas delas visitáveis, até às inúmeras igrejas e ermidas, templos e grutas. Apresento algumas que na minha opinião são obrigatórias.

Visite São Pedro de Castro, neste local pode apreciar os vestígios de um castro romano além de obter uma fabulosa vista panorâmica sobre a região.

A Gruta de Avecasta situado na vila de Areias é um ótimo local onde poderá apreciar os vestígios do neolítico e idade média. Diz-se que por estas terras viveu um povo da Idade do Bronze. Vá até lá e confirme.

grutas.jpg

 

Torre de Dornes visitável na vila com o mesmo nome é uma Torre pentagonal erigida pela ordem dos templários que data do século XII.

torre dornes.jpg

 

Igreja de Santo Aleixo fica sediada na vila do Beco, foi erigida no século XVI e tem como ex-líbris a capela-mor revista a talha dourada e os painéis de azulejos setecentistas com cenas do velho testamento.

Situada na vila de Ferreira do Zêzere, e com grandioso destaque encontra a Igreja de São Miguel, com a sua fachada maneiristas do século XVI e com um interior riquíssimo com pinturas, talha dourada e telas como A Última Ceia ou a Aclamação da Nossa Senhora.

A Igreja de Nossa Senhora da Graça erigida em Areias no século XVI é um fabuloso templo medieval que foi mandado ampliar pelo rei D. Manuel I e que tem ainda como característica a fachada do arquiteto João Castilho, arquiteto responsável por muitas obras no Convento de Cristo em Tomar.

igreja senhora graca.jpg

 

Mandada erigir pela Rainha Santa Isabel e com o apoio do senhor de Dornes D. Gonçalo Sousa, encontra-se a Igreja de Nossa Senhora do Pranto. Este local é alvo de peregrinação de diversos círios de todo o Portugal que por norma ocorrem desde o domingo da Pascoela (Domingo a seguir à Páscoa) até às Festas do Espírito Santo.

Na pequena aldeia de Águas Belas pode sobre um beiral de uma casa oitocentista apreciar o fabuloso relógio de sol. Um pormenor que passa despercebido aos mais desatentos mas que você não pode deixar fugir.

Além do Património histórico que estas terras oferecem há muito mais para ver e fazer. Se o seu espírito é mais aventureiro então aconselho atividades mais desportistas e radicais. É fácil aceder a elas, existem para todos os preços e caso não tenha espírito e paciência para as organizarem há já diversas empresas que tratam de tudo por si.

ski aquat.jpg

 

Desde um simples passeio de barco a motor onde poderá descer todo o rio e apreciar as diversas paisagens das margens do rio Zêzere, até entrar no Barco de três tábuas (chatas ou abrangel) que eram usados antigamente para pescar e que hoje estão à disposição de qualquer um, as opções são diversas.

Pode por exemplo praticar ski aquático, aqui a expressão voar sobre o rio ganha outro significado, pode munir-se de equipamento de mergulho e partir à descoberta subaquática das antigas aldeias submersas pelas águas aquando a criação da barragem de Castelo de Bode.

canoagem.jpg

 

Pode simplesmente subir o rio através de uma expedição em canoagem ou descontrair nas praias fluviais do Lago Azul ou de Dornes.

Aqui e com uma fauna e flora rica pode também desfrutar do sossego quer através de um belo passeio pedestre (existem inúmeros percursos sinalizados), ou sentar-se junto ao rio e praticar um pouco de pesca – aqui os achigãs saltam do rio para a mesa.

pesca.jpg

 

Se é apreciador de algo mais radical pode ainda subir e descer as serras montado numa bicicleta de BTT (trilhos bem pensados e com paisagens fabulosas) ou arriscar-se na modalidade de geocaching (encontre os vários pontos de referência onde pode deixar o seu testemunho).

btt.jpg

 

Portanto as atividades de lazer que pode fazer são mesmo muitas, além de que pode apenas relaxar a ouvir os passarinhos numa varanda com vista sobre o Zêzere, ou ler um livro com os pés a chapinhar nestas águas cristalinas.

lago azul piscina.jpg

 

Além da história, do património e das atividades lúdicas que as terras do Zêzere oferecem um ex-líbris da região é sem dúvida a sua gastronomia. Aqui pode optar por pratos de carne com extrema qualidade e muito variada, pelo peixe de rio ou pelos doces tradicionais que são divinais. O javali, o leitão, o cabrito e os bifinhos no chapéu são os petiscos para os mais carnívoros, enquanto que o peixe do rio e os lagostins oferecem um requinte para os apreciadores destes sabores.

leitão.jpg

 

Além dos pratos salgados é também de salientar a fabulosa qualidade de queijo, mel, azeite e vinho DOC característicos desta região. Além disto podemos ainda encontrar os doces típicos como as tigeladas, os espera-maridos, ou as estrelas do Zêzere.

tigeladas.jpg

 

E para degustar todas estas iguarias nada melhor do que visitar alguns dos melhores restaurantes da região. Elejo 4 restaurantes com os mais variados pratos e para todas as carteiras.

A Grelha do Zêzere situado na Rua Maria Vasques nº37 em pela vila de Ferreira do Zêzere oferece bom ambiente rodeado pelas suas paredes de pedra, aqui pode degustar um excelente naco de vitela ou os tradicionais bifinhos no chapéu – além de um prato é toda uma experiência.

bifinhos chapeu.png

 

casa leitoes.jpg

 

A Casa dos Leitões – pois não é só na Bairrada ou nos negrais que o leitão tem outro encanto, aqui na vila de Águas Belas pode apreciar desde o belo leitão assado no forno ou provar um dos muitos pratos caseiros. Quer o gerente do restaurante quer dos empregados vai obter a maior simpatia, e com sorte até pode pedir uma prova com vários pratos tradicionais.

Situado na Estalagem do Lago Azul, encontra-se um dos melhores restaurantes da região, um pouco mais caro que os anteriores, detém extremo requinte, bom gosto, elegância e um serviço de atendimento fantástico. Os pratos tradicionais ganham destaque tal como a vista que tem das grandes vidraças do Restaurante da Estalagem do Lago Azul.

restaurante estalagem.jpg

 

A Pastelaria Pérola do Zêzere, situada na rua do casal do além na vila de Ferreira do Zêzere é um pequeno café e snack-bar que serve pratos do dia, comida ligeira mas de boa qualidade. É barato e acessível a todas as bolsas. O Arroz de Pato dourado é o prato de destaque que pode acompanhar com uma cerveja artesanal. Aqui é um ótimo local para provar as fabulosas tigeladas ferreirenses ou as estrelas do Zêzere. Pode ainda levar para casa alguns doces e compotas caseiras.

Está comprovado que a gastronomia é um dos pontos fortes desta região, aliás além do turismo são exatamente atividades como a apicultura, a vinha, a agropecuária e a agricultura que são as principais atividades económicas de Ferreira do Zêzere.

Depois de tantas atividades e passeios é hora de relaxar e nada melhor que optar por um dos hotéis e espaços de turismo que esta zona oferece.

apartametno.jpg

 

Os apartamentos do Lago é considerado um empreendimento de 4 estrelas com preços por noite me época alta de cerca de 120 euros. Os apartamentos detêm cozinha equipada caso queira confecionar as suas próprias refeições, detém rede wi-fi, piscina e ginásio. Mas pode simplesmente deliciar-se com a paisagem que estas varandas oferecem.

estalagem.jpg

 

A Estalagem do Lago Azul, além do fabuloso restaurante detém quartos luminosos com excelente vista rio, um ótimo solário com espreguiçadeiras e uma piscina exterior. Uma boa opção para pernoitar com preços a partir dos 60euros a noite.

Outra alternativa é o Hotel da Nossa Senhora do Pranto, situado no vale serrão em Dornes, com praia privada e a 100 mt de Castelo de Bode. Uma opção acessível por 50 euros a noite.

casa ladeira.jpg

 

Para finalizar encontramos a Casa da Ladeira, na Rua da Cabecinha em Matagosinho, onde pode optar por suites ou apartamentos de turismo rural, com ambiente rústico mas cheio de charme. Uma fantástica opção para os meses quentes devido à sua localização na barragem e piscina exterior ou nos meses mais frios onde se pode sentar à lareira e apreciar estas belas paisagens. Preços desde 55 euros a noite na suíte ou 75 euros em apartamento.

Ferreira do Zêzere tem assim muito para oferecer e muito para ser descoberto. É um local fabuloso em qualquer altura do ano desde os meses mais frios, aos meses de Verão. Se vier em Maio pode ainda apreciar a Anual Feira da Cereja, ou se for um bom apreciador de vinho pode vir em Dezembro para o Rally das Adegas.

lagostins.jpg

 

Existe ainda o Festival do Lagostim do Rio, onde os apreciadores podem degustar esta iguaria ou divertir-se nas Festas em honras de Nossa Senhora do Pranto.

Para quem se quiser aventurar para fora deste idilico local pode rapidamente aceder a Tomar, à Sertã e a Fátima, tão perto e com tanta oferta cultural.

tomar.jpg

 

Ferreira do Zêzere, não é uma simples vila, não é uma simples região, é um conjunto de vilas, lugares e paisagens que tornam as margens do Zêzere num Paraíso.

zezere (2).jpg

 

Lê os restantes artigos de Conhecer Portugal. 

 

Pode consultar mais informações em:

www.terra-oculta.com

www.kaventura.com

www.cm-ferreiradozezere.pt

www.ferreiradozezere.net

www.booking.com

www.tripadvisor.com

As fotografias utilizadas neste artigo não têm qualquer uso com fim comercial, a sua maioria foram retiradas de arquivos dos sites disponibilizados acima, e tem como único objetivo promover a região de Ferreira do Zêzere.

Manjar Nepalês

Julho 24, 2015

manjar.jpg

 

Como tem sido habitual nestes últimos tempos tenho cumprido um ritual semanal, obriguei-me a mim mesmo que todas as semanas teria de ter uma noite cultural e uma noite gastronómica (isto para quebrar até a dieta que tenho andado a fazer e aliviar os desejos e apetites gulosos que contrario).

Ontem foi noite então de ir provar pela primeira vez comida nepalesa. Sou super fã de comida indiana e das suas variantes mais ou menos picantes, dos seus sabores a açafrão, caril e cominhos. Aliás, posso mesmo dizer que como cozinheiro este é o género de comida em que brilho. Então e como já tinha saudades de uns sabores indianos, após a minha viagem às Maurícias, fui até ao Restaurante Nepalês - Real Nepal – na Av. República em Lisboa.

chana massala.jpg

 

O Restaurante é bastante simples, sem excessos de decoração alusiva ao seu país, apesar de pontualmente se ver uma paisagem do Nepal quer na parede quer no balcão de acesso à cozinha, o empregado que me serviu, de nacionalidade nepalesa após conversa, era de extrema simpatia e disponibilidade o que ajuda logo a nos sentirmos bem-vindos aquele local.

Decidi mesmo optar por degustar um pouco de tudo, de forma a conhecer aquilo que nunca tinha provado, e também algumas coisas que adoro. No fim de contas foi um verdadeiro manjar nepalês.

Como entradas pedi as tradicionais chamuças vegetarianas e de galinha, um pouco oleosas mas de um sabor tremendo, depois paneer Pakora – panner é uma espécie de coalho de queijo fresco do qual fiquei fã nas Maurícias, mas aqui panado e frito, não amei mas gostei, o Pão Naan também estava presente bem como Onion Bahji, um pastel de cebola que é um verdadeiro pitéu.

onion bahji.jpg

 

Como pratos principais pedimos Pakora de Galinha – muito bem confecionado, Caril de Camarão – que na minha opinião precisava de estar mais carregado de chili e especiarias, e Chana Masala – um prato de grão que me deixou viciado.

caril camarao.jpg

 

Para finalizar não optei pelas sobremesas pois estávamos já bem deliciados, mas a simpática equipa nepalesa ofereceu-nos um pequeno shot de sumo de manga –como adoro a fruta mas odeio sumos de manga para mim foi dispensável.

mango drinks.jpg

 

No final a conta chegou e até nem foi nada de surpreendente, com vinho incluído ficou em cerca de 22€ por pessoa.

A quem gosta de Comida Indiana e Nepalesa é sem dúvida uma boa opção.

Slide4.JPG

 

Vila Nova de Mil Fontes: a Princesa do Alentejo

Julho 20, 2015

1000 fontes.jpg

 Compete a todos nós viajantes, exploradores e turistas conhecer, saborear, aprender as diferentes culturas e países que visitamos, mas o nosso pequeno país consegue também ter culturas, paisagens e tradições muito diferentes consoante o local que visitamos.

Vila Nova de Mil Fontes é considerada por muitos como a Princesa do Alentejo, uma pequena vila piscatória pertencente ao concelho de Odemira, distrito de Beja, situado ma margem norte do Rio Mira e rodeada de belezas atlânticas e terrestres sem igual. Encontra-se inserida no Parque Natural do sudoeste alentejano e Costa Vicentina.

 

O seu nome deriva das mil fontes, ou seja, em períodos antepassados parece ter existido imensas nascentes de água doce espalhadas por toda a região o que fez com que esta vila ganhasse o nome das mil fontes.

A sua história remete a 1486, após a reconquista do sul do país aos mouros, e a sua entrega a diversos nobres para desenvolverem esta vila, foi fundada por D. João II.

 

 

Bem situada de fronte para o atlântico e com um rio navegável, rapidamente Vila Nova de Mil Fontes se desenvolveu em diversas atividades económicas como a agricultura, as pescas, a pecuária. Hoje juntam-se a estas o Turismo que torna a vila numa pérola do Litoral Alentejano.

Devido à sua localização, esta pequena vila foi muitas vezes alvo de ataques piratas durante os séculos XVI a XVIII, daí a necessidade de construírem o Forte de São Clemente, para evitarem os ataques dos corsários do Magreb. Hoje este forte é conhecido pela maioria dos seus visitantes e mesmo pelos milfontenses como o Castelo de Mil Fontes.

castelo.jpg

 A história desta terra passa também pela história da aviação portuguesa. Foi daqui, mais propriamente do Campo das Coitas que em 1924 partiu Brito Paes e Sarmento Beires para a primeira travessia aérea de Portugal até Macau. Podemos verificar este feito com o monumento erguido na Praça Barbacã.

Mas Mil Fontes não é só passado, é acima de tudo presente e esperamos um futuro promissor.

Se no Inverno, com o frio atlântico a cidade se encontra apenas com os seus 5000 habitantes espalhados pelos 75km2 de área, em épocas festivas e principalmente no Verão a vila torna-se pequena para tantos turistas estrangeiro mas acima de tudo portugueses que aqui chegam para gozarem os seus merecidos dias de descanso.

E o que podemos ver, fazer e conhecer nesta vila?

Comecemos então por tentar explorar um pouco o património de Mil fontes. Não será muito, nem extravagante mas com a sua simplicidade e humildade oferece uma boa alternativa a umas férias de sol e mar.

Comecemos então pelo Forte de São Clemente, mais conhecido pelo Castelo da vila, é simples, eram antigas fortalezas que foram erigidas para evitar os ataques dos piratas mouros e daqui poderá apreciar uma paisagem sem igual.

subida catselo.jpg

 

Pode visitar alguns edifícios religiosos, quer a Ermida de São Sebastião quer a Igreja de Nossa Senhora da Graça, esta última uma igreja matriz típica alentejana com as suas paredes caiadas e a sua faixa azul. A Senhora da Graça é também a padroeira da vila que no dia 08 de Agosto sai da sua igreja e percorre o Rio Mira em barcos de pesca engalanados, nos seus festejos anuais.

igreja.jpg

 

Depois tem ainda todo o Parque natural, inserido no Parque Natural da costa Vicentina pode deambular por paisagens verdejantes, caminhos que atravessam montes verdes ou dunas doiradas, praias longas e de beleza sem igual, muitas delas guardadas por rochedos e falésias imponentes.

caminhada.jpg

 

Mil Fontes está junto ao mar e ao rio o que permite agradar a gregos que prefiram praias de água salgada, ou a troianos que prefiram as fluviais. Escondido no meio dos vales ainda se encontram algumas cascatas, mas essas são segredos só para alguns.

Como Praias para se poder visitar escolhi 4:

Praia das Furnas – para mim e para os meus amigos, o nosso spot, onde passámos grandes verões com alegria e diversão. Para lá chegar terá de sair da vila e dirigir-se à parte sul do rio Mira, ou caso pretenda poderá apanhar um barco que o faz transpor de margem.

furnas.jpg

 

Praia do Malhão – um pouco mais afastada pode ser visitada especialmente por que gosta de apanhar umas boas ondas, um local exótico e paradísiaco.

malhão.jpg

 

Depois temos ainda a Praia de Mil Fontes – quer rio, quer mar – e a Praia do Farol, duas praias belas que pode explorar.

passadiço praia.jpg

 

Para aqueles que apreciam estar mais livres, mais sossegados ou que sejam adeptos de naturismo, tem extensos areais a sul da Praia das Furnas.

Mas além de estar esticado ao sol, ou mergulhar nas águas salgadas e cristalinas do Atlântico tem diversas opções para uns dias bem passados. Existem diversas empresas de turismo que realizam várias atividades ou podem partir à descoberta.

Aconselho então fazerem o Trilho dos Pescadores – de Porto Covo a Mil Fontes – vai poder calmamente e em caminhada (longa) ou bicicleta conhecer as paisagens circundantes.

Se é adepto de desportos aquáticos tem muita opção nestas águas, Surf, Bodyboard ou K-Surf para dias mais ventosos.

Se lhe apetece fugir da rotina e partir em direção ao mar, vá até ao Porto das barcas, pegue num barco e parte atlântico fora. As paisagens do lado mar são verdadeiramente incríveis.

 

 

Depois tem a pesca, quer no rio quer no mar, poderá descontrair um pouco pescando à cana uns belos peixes para o jantar. Se gostar e tiver paciência poderá ainda recolher nas rochas umas suculentas lapas e mexilhão (cuidado vá preparado para não se aleijar).

barco pesca.jpg

 

Além das caminhadas e BTT que pode fazer por todo o Parque Natural, tendo rotas próprias para cada desporto tem a possibilidade de fazer geocaching – em expansão e bastante divertido – existem organizações desta atividade durante todo o ano. Além de poder dedicar-se a observar a extensa fauna e flora, para os amantes de BirdWatching esta é uma zona fabulosa.

segomnhas.jpg

 

Por fim porque não descer ou subir o rio Mira, poderá então escolher a canoagem como a atividade eleita para um belo dia de Verão.

canoagem.jpg

 

Ora com tantas atividades, tanto exercício, tanta energia gasta é necessário recuperar calorias. Então chegou ao sítio certo: Mil fontes é detentora de uma gastronomia riquíssima onde conjuga os pratos tradicionais de um litoral português às iguarias do Alentejo. Pode degustar fabulosas cataplanas de Peixe, Arroz de Marisco, Peixe grelhado fresquíssimo de água doce ou salgada, além de poder deliciar com as famosas migas alentejanas, a Sopa de Cação, a carne de Porco alentejano (Porco Preto DOP) ou a charcutaria alentejana e seus queijos.

arroz.jpg

 

cataplana.jpg

 

As opções são muitas, e os locais onde as poderá degustar também. Faço apenas a eleição de alguns bons restaurantes, acessíveis monetariamente à maior parte dos mortais:

No Restaurante O Pescador situado na Rua da Praça, nº18, poderá degustar um rico e saboroso arroz de marisco, ou um peixe fresco grelhado.

linguado.jpg

 

No Restaurante A Choupana, situado na Praia do Farol é mais um local para fãs de peixe fresco, aqui elege-se a Cataplana de Marisco como prato de sonho.

Para apreciadores de carne e peixe temos o Restaurante A Telha, na rua do Pinhal nº3, onde se vai deliciar com o fabuloso churrasco.

Por fim tem a possibilidade de provar as iguarias alentejanas, as migas e a espetada de porco preto são deliciosas, tudo no Restaurante Tasca da Vila.

migas.jpg

 

Vila Nova de Mil fontes é um sitio ideal para passar umas semanas, em qualquer altura do ano, além das muitas atividades já mencionadas e da gastronomia fabulosa, pode ficar hospedado em locais mágicos. Em qualquer recanto pode alugar um quarto, uma casa ou um apartamento, pode optar pelo Parque de Campismo – aliás uma boa opção depois da sua renovação – mas poderá escolher algo mais requintado e a preços bastante acessíveis.

O hotel Rural Moira Mar, hotel de 3 estrelas preços para agosto até 100e noite, está situado a 2 km do centro e pode aproveitar as belezas rurais e campestres disponíveis neste espaço hoteleiro.

moinho asneria.jpg

 

Temos o Moinho da Asneira, mais um espaço de turismo a 3km de Mil Fontes e que oferece uma boa opção para o seu descanso. Consegue facilmente preços até 60€ a noite.

A Quinta da Samoqueirinha a 5km da vila e com preços a rondar os 60€ a noite é uma boa opção para quem além do descanso quer usufruir de uma boa piscina exterior.

Depois temos a Pousada das Três Marias, um paraíso a 4km da Praia dos Aivados onde é recebido pelos hóspedes permanentes umas mulas e uma vestruz. Um tradiconal e rural monte alentejano, situado numa área de beleza sem igual onde além do conforto e do requinte pdoe ainda degustar-se com um excelentes pratos típicos e deliciosas iguarias quer no buffet de pequeno-almoço como no menu fico ao jantar. Pode ainda explorar a Pousada a pé, de bicicleta ou até percorrer os trilhos a cavalo.

3 marias.jpg

 

Para finalizar não poderia deixar de mencionar alguns locais onde se poderá divertir e beber uns copos até altas horas. Como diria alguém – já fui tão feliz em Mil Fontes.

Pode optar pelo Blush – um Clube de música ao vivo com bom ambiente e sempre com uma escolha musical de referência.

O New Villa Café é um bar bem centralizado (largo central) onde poderá beber uns bons cocktails, caipinhas e agora os gins da moda. Para quem já não visita Mil Fontes há algum tempo este é o mesmo bar do antigo Ao Largo.

Tem ainda o Bar Azul que prima pela decoração e boa música, e se é adepto de shots é uma boa opção.

azul.jpg

 

Para finalizar a noite pode ir dançar para a tradicional discoteca Sudwest, bastante famosa por estas paragens. Para quem é adepto de loucura aconselho as tradicionais festas da Espuma que se realizam por norma 1 vez por semana.

vmf noite.jpg

 

Não podia finalizar sem uma opção quer para um pequeno-almoço, lanche, ou seia os famosos e deliciosos croissants da mabi. São divinais e a escolha quer de doce ou salgados é enorme.

mabi croissants.jpg

 

E cá está apresentada a Princesa do Alentejo. A quem conhecer é sempre bom voltar, a quem gostaria de conhecer é bastante fácil, é escolher a data e partir.

Mais artigos dipsoníveis em  conhecer portugal

Para mais informações pode ainda consultar alguns sites bastantes uteís:

www.vnmilfontes.info

www.aventuraactiva.pt

www.turismo.cm-odemira.pt

www.rotavicentina.com

Aproveite e divirta-se.

 

Fotografias de domínio público

Nutella - Sonhos com chocolate

Julho 19, 2015

 

Ontem fui até à loja da Nutella em Cascais, quando cheguei o aroma estava logo ao descar da rua conde valbom e as filas para entrar já saiam da porta.

Pensei, realmente estas lojas/ cafés estão a ter muito sucesso, será que se justifica.

Depois de alguns minutos à espera percebi que afinal nem sequer havia muita gente no interior, mas a falta de experiência e aptidão dos jovens colaboradores da nut atrasam e causam as filas, será que é prepositado para fazer concorrência ao Santini?

Só sei que ainda demorou algum tempo até provar um crepe com nutella e gelado de caramelo.

Comi, estava saboroso mas nada de extraordinário. Enfim há crepes melhores em muitos sítios e mais baratos.

Por mim está conhecido, e riscado da lista. Não vale os tempos de espera apenas passa no teste pela simpatia dos empregados.

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D