Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Diário de Viagem das Maurícias

Junho 17, 2015

cruise.JPG

 

Maurícias é um arquipélago situado no meio do Oceano Índico, rodeadas por uma excelente barreira de coral e com um clima tropical que consegue tornar esta ilha uma das mais verdes de África repleta de fauna e flora diversificada.

Um povo composto por várias raças e crenças faz desta ilha um autêntico cruzamento de culturas, aqui indianos, africanos, com mulcumanos, hindus, chineses e católicos oriundos de França e Inglaterra dos tempos coloniais.

É fácil misturar-se os cheiros e os sabores de Chop soi chinês, com Caril indiano, Pratos árabes e pratos d edegustação franceses com os seus molhos de natas e manteiga.

Uma ilha super diversificada que se dedica ao turismo e à agricultura. São visiveis em toda  aparte da ilha as muitas plantações de cana de açúcar para a produção de açucar e rum, os muitos quilómetros de plantações de chá e de baunilha, o muito marisco e peixe que o oceano oferece.

 

Mapa.jpg

 

Uma ilha que não é grande mas que devido às suas caraterísticas geográficas, com muitas serras repletas de vegetação e uma costa recortada por muitas baías para fazer qualquer quilómetro é uma aventura.

As estradas são estreitas, conduz-se pela esquerda, não há muita sinalização, a condução é trágica,à noite iluminação pública é rara, o que fez com que tivesse das minhas maiores aventuras automobilisticas.

É verdade que podia ter comprado pacotes e pacotes de excursões, alugado táxis mas partir à aventura é partir à aventura, seguir os meus próprios caminhos, contatar com o povo verdadeiro, ver aquilo que se quer mostrar e o que está oculto à maioria dos turistas.

Fiquei hospedado no Ambre Hotel, um resort com luxo e comodidades para o descanso verdadeiro e merecido, situado em Belle MAre, parte oriental da ilha. Não é a zona mais turística, mas na minha opinião é sem dúvida uma das melhores e mais centrais para desbravar esta ilha.

deibaixo agua.JPG

 

Resumidamente vou tentar fazer um pequeno guia de viagem com locais que ninguém poderá perder:

Em primeiro lugar ter carro alugado com depósito cheio e dirigir-se a Curepipe, aqui nesta cidade já bastante desenvolvida poderá encontrar o Jardim Botâncio, a Fábrica dos barcos (neste caso dispensámos pois era turístico demais) e Trou aux Cerfs - a cratera do vulcão que deu origem a esta ilha, com a sua lagoa, beleza natural magnífica.

No caminho até chegar a esta cidade vai percorrendo Flacq, Poste de Flacq e Quartier Militaire - cidades e povoaçõe smais ou menos densas mas que as suas barracas coloridas, as gentes repletas de cor pelos saris alegram as passagens.

Continue estrada pela selva e pelas montanhas repetas de vegetação até Boi Cherie, nesta zona vai poder ver plantações d echá intermináveis, a sua forma d ecolheita e o seu tratamento. Se é fã de chá compre, pois é de um sabor formidável.

Bem perto Grand Bassin no alto do cume de uma montanha, com um milagroso lago, está situado o maior templo Hindu da ilha - obrigatório visitar.

Depois podemos tomar dois rumos o destino de St. aubin a sul ou subir montanhas em direcção a Charamel.

Optámos pelo descobrir a selva...

Alexandra's Watwerfalls - delicie-se nesta svistas magníficas, com as cascatas a cair abruptamente, e uma paisagem fabulosa de toda a costa oeste da ilha, rodeado por macacos que pulam entre árvores

 

alexandra waterfalls.JPG

 

Temos a hipótese de continuar até às Cascatas de Black Gorges, um dos maiores rios das Maurícias, uma visão fabulosa.

 

black gorges.JPG

 

Pare no caminho e vá comendo umas goiabas ou mangas que prosperam nas árvores junto à estrada. Depois visite a Rhumerie de Charamel, aqui pode fazer uma prova de rum fabulosa e claro trazer algumas "amostras" para consumo em casa.

 

rum.JPG

 

Em Charamel conheça a terra das 7 cores, um pedaço de terra - reserva natural onde vai poder ver a selva verdadeira e um chão com várias tonalidades de castanhos, a dourados e vermelhos.

 

7 colours.JPG

 

A aventura de conhecer toda a costa desde La Morne até Flic en Flac é uma delicia com paisagens maravilhosas e onde pode assitir a um pôr do sol deslumbrante.

 

Le morne.JPG

 

por sol.JPG

 Depois temos toda a costa oriental da ilha com praias e baías lindíssimas e ilhas a acompanhar o horizonte.

 

blue bay.JPG

 Blue Bay - Sudeste

 

ille aux cerfs.JPG

 Ile aux Cerfs - Este

 

podre d'or 2.JPG

 Podre D'or - este

 

Grand Baie.JPG

 Grand Baie - Norte

 Conheça a capital de Port Louis, sem dívida uma cidade diferente, onde regras de trânsito parecem não existir, onde a maior parte da população da ilha reside, onde há confusão, barulho, fumo dos carros misturado com os muitos fumos da queima de incensos. Não é um sonho de beleza, mas é obrigatório passar por lá para tomarmos conhecimento daquela realidade.

Depois existem inúmeros parques naturais que pode visitar desde os mais ligados à terra e outro ao mar.

Para mim foi obrigatório o Casela Park na zona oeste central da ilha onde pude percorrer uma ponte nepalesa com 120 metros de altura e fazer slide sobre a selva.

 

slide 2.JPG

 

Depois o contato com os leões desta reserva é emocionante, fantástico, um sonho.

 

lion.JPG

 

leoezinhos.JPG

 Depois temos a possibilidade de conhecer o fundo do mar e navegar nas barreiras de corais, aconselho sem dúvida as da zona sul e este da ilha, muito rico em fauna e flora marítima.

 

cruise 2.JPG

 

snorkeling.jpg

 Uma viagem de sonho, de alegria, de diversão e de Aventura.

Aconselho a todos a experimentarem... E agora é pensar na próxima...

  • Imagem de perfil

    After Peter 11.07.2016

    Olá,
    Acho que vai gostar do hotel ambre, é simples mas tem tudo o que precisamos para usufruir.
    Fui em final de Maio/ Junho, não apanhei chuva nunca, apesar d eelevada humidade. A temperatura atmosférica e do mar era boa (quente).
    Os passeios foram todos efetuados com recurso a carro alugado que pode tratar no hotel ou através da internet. É preço normal. A condução é tranquila, apesra de ser ao "jeito inglês", é uma questão de hábito (ao fim de uma hora parece que sempre conduziu assim), as estradas são apertadas e sem iluminação mas o pavimento é bom.
    Atenção especial à noite, não existe luz nas estradas, nem dentro das localidades, por vezes as motas e bicicletas são invisiveis até surgirem à nossa frente (aconselho circular com velocidade baixa), se for à capital tenha paciência o trânsito é caótico.
  • Coment:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    about me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D