Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

A Primavera

Março 20, 2018

primavera.jpg

 

O sol vai esmolando os campos com bôdos de oiro. 

 

A pastorinha aquecida vai de corrida a mendigar a sombra do chorão corcunda, poeta romântico que tem paixão pela fonte.  Espreita os campos, e os campos despovoados dão-lhe licença para ficar nua.

 

Que leves arrepios ao refrescar-se nas aguas! Depois foi de vez, meteu-se no tanque e foi espojar-se na relva, a secar-se ao sol. Mas o vento que vinha de lá das Azenhas-do-Mar, trazia pecados consigo.

 

Sentiu desejos de dar um beijo no filho do Senhor Morgado. E lembrou-se logo do beijo da horta no dia da feira. Fechou os olhos a cegar-se do mau pensamento, mas foi lembrar-se do próprio Senhor Morgado á meia noite ao entrar na adega. Abanou a fronte para lhe fugir o pecado, mas foi dar consigo na sacristia a deixar o Senhor Prior beijar-lhe a mão, e depois a testa... porque Deus é bom e perdoa tudo... e depois as faces e depois a boca e depois... fugiu... Não devia ter fugido...

 

E agora o moleiro, lá no arraial, bailando com ela e sem querer, coitado, foi ter ao moinho ainda a bailar com ela. E lembra-se ainda - sentada na grande arca,  e mãos alheias a desapertarem-lhe as ligas e o corpete, enquanto ouve a historia triste do moinho com cinquenta malfeitores...

 

Quer lembrar-se mais, que seja pecado!

 

Quer mais recordações do moinho, mas não encontra mais. 

 

Ah! e o boieiro quando, a guiar a junta, topou com ela e lhe perguntou se vira por acaso uma borboleta branca a voar a muito, uma borboleta muito bonita! Que não, que não tinha visto; mas o boieiro desconfiado foi procurando sempre, e até mesmo por debaixo dos vestidos.  Como desejava poder ir com todos! 

 

Não sabe o que sente dentro de si que a importuna de bem-estar. 

 

Teria a borboleta branca fugido para dentro dela? 

 

Almada Negreiros, in 'Frisos - Revista Orpheu nº1' 

Contratiempo

Março 17, 2018

contratiempo_cartel.jpg

 

Adrian Doria é um homem de sucesso que detém um emprego de sonho, um casamento feliz, um bebé perfeito e uma amante que concorda com toda esta vida.

 

Num contratempo, Adrian desperta num quarto de hotel e encontra sua amante morta coberta de dinheiro.

 

Ele é o principal e único suspeito por isso recorre à melhor advogada de defesa, Virginia Goodman, para tentar descobrir o que realmente aconteceu na noite anterior.

 

Toda esta sinopse é reduzida para não permitir entender o desenrolar do filme, no entanto este é um thriller psicológico extremamente bem idealizado, escrito e realizado.

 

Oriol Paulo, demonstra na sua realização que o cinema espanhol está forte e modernizado.

 

De destacar as excelentes interpretações de Mario Casas (adrian), José Coronado (Tomás garrido), Ana Wagener (Virgínia) e Bárbara Lennie (Laura Vidal).

 

Uma excelente sugestão para ver numa destas próximas noites de Inverno.

 

 

Erêndira! Sim, avó...

Março 16, 2018

evento_abarraca_erendira_dez2017_08.png

 

A noite de ontem foi uma viagem até ao mundo de Gabriel Garcia Marquez, aquela Colômbia esquecida pela maior parte dos países desenvolvidos, pela Europa que fervilha mas que se esquece do quente do deserto e dos trópicos da América Latina.

 

Aquela América em que morre muita gente, aquela América que independentemente dos regimes políticos existentes continua a imanar um cheiro de terra chorada. Pois é apenas esse cheiro a quente que falta ao entrarmos na sala do Teatro A Barraca, o resto está lá tudo.

 

Aqueles bigodes retorcidos em tez queimadas pelo sol, aquela música latina que se liberta da rádio ou dos músicos, aquelas vozes quentes que nos fazem viajar, este é o ambiente certo para subir a palco o texto de Rita Lello inspirado no conto A incrível e triste história da cândida Erêndira e a sua a avó desalmada, de Gabriel Garcia Marquez.

 

“Estava Erêndira a dar banho à Avó quando começou o vento da sua desgraça”, é assim que começa a história: uma avó, a Avó interpretada pela brilhante Maria do Céu Guerra, e uma neta bastarda com os seus 14 anos, Erêndira interpretada por Sara Rio Frio. A primeira anafada, desalmada, sonhando com os falecidos heróis da sua vida e ambicionando o mar, a segunda isolada, criança, simples, dedicada, apenas uma virgem que nasceu “ao contrário, com os órgãos de fora, na alma do deserto. Não vive por dentro, está cheia de espaço. Só a liberdade a poderá virar do avesso”.

evento_abarraca_erendira_dez2017_01.png

Pois a realidade aqui retratada é a da exploração de menores na Colômbia, Erêndira apenas irá dizer sim a cada chamamento, ordem ou desabafo da sua avó. A exploração só muda de “tom” quando a jovem incendeia a casa onde vivem devido ao excesso de cansaço e ao vento que traria a mudança.

 

Aquela mulher desalmada iria obrigar a sua neta a pagar cada peso para pagar a reconstrução da sua casa, que aqui será melhor retratada como a reconstrução do seu sonho. A exploração passa a ser sexual, vendendo a virgindade da sua neta por poucas centenas de pesos. A fonte de receita não esgotará enquanto Erêndira estiver viva. De 70 em 70 pesos, a jovem vai-se cansando e morrendo por dentro, a avó vai rejuvenescendo e sonhando com a sua ilha de Aruba.

 

Peso a peso... “Se as coisas continuarem assim pagas-me a dívida dentro de oito anos, sete meses e onze dias...”

 

Aquela nudez que nos toca, aquela gargalhada da velha que nos fere, aquele constante reboliço de entre e sai de homens na tenda da jovem, aquele anjo sem asas que nos faz a nós público querer cravar uma espada mágica nas banhas asquerosas da avó.

 

Mas só a nós parece importar.

 

À volta daquela exploração sexual instala-se um circo: tocadores de musicas para acompanhar a espera dos homens, fotógrafos, artistas de circo, aberrações de saltimbancos, índios escravizados e sonhos. Sonhos de amor, sonhos de liberdade.

 

Rita Lello refere que não podemos “olhar para esta narrativa senão como uma metáfora”, pois esta metáfora, tal como as obras de Marquez, é uma metáfora excelentemente criada para criticar os problemas sociais e políticos desta sociedade latina.

 

Os ventos que sopram a vida de ambas as personagens são o destino. E este destino está bem regado de maldade e candura, onde “o bem vence o mal ou porque aprende com ele”.

 

Um texto brilhante, uma encenação (também de Rita Lello) que faz arrepiar com a originalidade e ousadia, a mistura das diversas artes de imagem e depois a interpretação gritante de todo o elenco mas de salientar o trabalho de João Maria Pinto, Adérito Lopes, Ruben Garcia e a jovem Sara Rio Frio.

erendira_paginainicial.jpg

 

Erêndira! Sim, avó... é tudo isto e depois é ainda mais Maria do Céu Guerra numa interpretação avassaladora.

 

Rita Lello diz que “O texto de García Marquez é um texto de imagens, um texto para ser imaginado, não para ser dito mas para ser lido. Para ser visto com a imaginação”. Aqui ela ajudou-nos a imaginar.

ceu.jpg

 

No final, aplaudimos-vos de pé e esperando que o público perceba o bom teatro que se faz no teatro A Barraca. Não será o mais comercial, não será apropriado a todos os pequenos cérebros que percorrem as ruas mas é o teatro que vocês fazem, tal e qual como são ou que querem ser.

 

“Romper os circuitos fechados, dar a volta ao mundo com a nossa língua, com os nossos panos, com as nossas histórias” contamos convosco.

 

Elenco Técnico e Artístico:

Direcção e Adaptação: Rita Lello

Assistente Encenação: Rita Soares

Espaço Cénico: Rita Lello

Carpintaria: Mário Dias

Figurinos: Maria do Céu Guerra

Adereços: Marta Fernandes da Silva

Assistente Guarda-Roupa: Sérgio Moras

Costureira: Zélia Santos

Selecção Musical: Rita Lello

Música original e arranjos: João Maria Pinto

Desenho de Luz, Video e Edição: Paulo Vargues

Sonorização: Ricardo Santos

Assistência à Montagem: Fernando Belo

Animações: Paulo Vargues

Relações Públicas e Produção: Inês Costa, Paula Coelho, Sónia Barradas

Fotografia: Ricardo Rodrigues

Elenco: Maria do Céu Guerra, João Maria Pinto, Sara Rio Frio, Adérito Lopes, João Teixeira, Rita Soares, Ruben Garcia, Samuel Moura, Sérgio Moras, Alexandre Castro, David Medeiros

créditos de fotografias: A barraca

O Deus da Carnificina

Março 12, 2018

image.jpg

 

Em cena no teatro da Trindade desde de dia 1 de Março, O Deus da Carnificina é uma comédia negra de Yamina Reza, autora francesa de ascendência iraniana.

 

Dizer que esta peça é uma comédia negra talvez seja vulgarizar um pouco a sua essência, direi antes que se encontra no registo de uma tragicomédia que assenta na análise do lado negro de todas as pessoas, aquele lado infernal que todos tentamos esconder por detrás de uma máscara qualquer.

 

Ao longo da peça são estas máscaras que vão caindo e que vão revelando a essência verdadeira de cada personagem, mas acima de tudo que nos revela a todos nós a nossa verdadeira essência.

 

Ali deixam de existir filtros, deixa de haver bom senso, os personagens tornam-se genuínos.

 

Diogo Infante encenador e ator da peça disse à agência Lusa que "Gostava que as pessoas levassem um pequeno murro no estômago”, e penso que no meio das gargalhas dissimuladas, nervosas ou espontâneas todo o público vai levando lentamente ao longo dos 80 minutos de duração pequenas pancadas com um pau que nos vai desfigurando a essência.

 

A história da peça é simples mas eficaz: dois jovens de 11 anos que se magoam na escola. Um agride verbalmente, o outro desfaz-lhe literalmente a boca. Assim surgem dois casais, pais dos respetivos jovens, supostamente são completamente diferentes e com a sua personalidade bastante vincada, que lutam em defesa do seu rebento. São os pais transformados em predadores para defender a sua cria.

 

Com tradução, versão e encenação de Diogo Infante, O Deus da Carnificina tem cenografia e adereços de Catarina Amaro, desenho de luz de Tânia Neto e sonoplastia de Rui Rebelo.

 

A desempenhar brilhantemente as 4 personagens estão Diogo Infante, Jorge Mourato, Rita Salema e Patricia Tavares. A interpretação de todos é brilhante mas tenho de reconhecer a Patricia que segue nesta peça de forma magistral.

A grande familia espanhola

Março 06, 2018

la-gran-familia-espanola-facebook.jpg

 

Uma grande familia espanhola que se reune em torno de um casamento precisamente no dia da final da copa do mundo com a presença de Espanha.

 

São cinco irmãos completamente diferentes, um deprimidio, um retardado, um médico aventureiro, um responsavel e uma criança de 18 anos que quer casar.

 

Um falido que pensa roubar a familia, um que sendo retardado é o que sabe dos segredos do seu pai, um aventureiro que sabe que afinal nenhum dele é filho do seu pai, um que ama a ex-namorada do seu irmão, um que ama duas irmãs.

 

Um filme que nos faz pensar que uma familia que poderá ser disfuncional vive em plena normalidade dentro da sua anormalidade.

 

Um grande filme para ver realizado por Daniel Sanchez Arévalo com participação de Héctor Colomé, Antonio de la Torre, Roberto Álamo, Quim Gutiérrez, Miguel Fernández e Patrick Criado.

 

Once the musical

Março 02, 2018

 

Coincidência ou não, hoje ao chegar a casa apanho num zapping o filme once.

 

Tive de ficar a ver e relembrar desta maravilhosa e romantica histórica que conheci pela primeira vez num palco da Broadway.

 

Para todos os que pensam que musicais são feitos apenas de brilho, roupas e danças Once é a prova que essa não é a realidade.

 

Amei na quando vi e voltei a amar, não fosse este um musical lindo e romântico.

 

 

Un bacio

Fevereiro 26, 2018

Un-bacio-poster.jpg

Um filme de amores na adolescencia, alegrias, traumas, diversão, desilusão.

 

Dois rapazes e uma rapariga.

 

Um rapaz adoptado, uma rapariga discriminada, um rapaz campeão de basquetebol.

 

Um rapaz sonhador, uma rapariga que escreve, um rapaz que fala com o irmão que faleceu.

 

Uma rapariga violada, um rapaz gozado, um rapaz assassinafo.

 

Um rapaz que ama uma rapariga, uma rapariga que julga amar um rapaz, um rapaz que ama um rapaz.

 

Uma excelente visão de ivan cotroneo.

 

 

Era uma vez uma mulher...

Fevereiro 25, 2018

 

2018-02-23-20-57-05.jpg

 

Era uma vez uma bebé que acabada de nascer, desejada por uns mas não por todos, sentiu que tinha uma missão.

 

Era uma vez uma criança que criou uma estrela de cicatrizes na sua testa, essa estrela guiou-a ao longo dos tempos.

 

Era uma vez uma gaiata, de cabelo negro um olhar escondido por detrás de uns óculos que estudava livros de encantar.

 

Era uma vez uma criança que quando se sentia triste chorava, mostrava a sua dor, mas essa mesma criança ouvia, entendia, e ganhava coragem para viver.

 

Era uma vez uma adolescente que acreditava no seu sonho, que queria porque queria, e seguiu em frente.

 

Era uma vez uma rapariga que trocara os nenucos por pinturas, os livros de crianças por saltos altos e divirtia-se.

 

Era uma vez uma giraça que ignorava quem merecia e abraçava quem precisasse.

 

Era uma vez uma universitária que vestiu a sua capa, que acreditou, que estudou, que lutou muito e acabou por conseguir o que queria.

 

Era uma vez uma farmaceutica que sorria atrás de um balcão por entre caixas de medicamentos.

 

Era uma vez uma sonhadora que chorava quando o fantasma descia do candelabro cantando as nossas canções.

 

Era uma vez uma viajante que queria descobrir mundo e partiu.

 

Era uma vez uma mulher que queria ser apenas uma mulher, uma mulher determinada, corajosa, guerreira e acima de tudo feliz.

 

Era uma vez um menino homem que amava essa mulher.

Adoro-te mana.

Os simpsons e eu...

Fevereiro 20, 2018

finalsimpsons.jpg

Ontem foi dia de estar a curtir uma noite de Simpsons...

Há anos que sigo a série ao longo das muitas temporadas, ontem a Fox comedy estreou a 27ª temporada da familia amarela e claro está que tive de ver este episódio que ainda não tinha apreciado.

Desde 1989, que esta série de animáção cómica estreou, criada por Matt Groening para a Fox recirando e satirizando as muitas familias de classe média dos EUA, mas que se  adapta a qualuqer canto do mundo.

Apesar de ainda não ter estreado no país de origem a série conta com 30 temporadas (negociadas até agora).

Dos primórdios até hoje os desnehos de animação foram sendo modificados, melhorados e adaptados ao anos que percorriam, influenciando jovens e adultos.

O bêbado e preguiçoso chefe de família Homer simpson, a doméstica e extremosa mãe Marge Simpson, a estudiosa Lisa, o arruaceiro Bart ou a "sempre" bébe Maggie há anos que fazem partem da minha vida.

Assumo: sou um super fã da série e ainda há poucos meses tive a sorte de entrar em Springfield para os conhecer aquando a minha visista à Universal studios de Orlando.

Portanto sempre que o tema dos Simpsons, composição de Danny Elfman, ecoar numa televisão eu tal como eles vou a correr sentar-me no sofá.

What about us?

Fevereiro 19, 2018

 

We are searchlights, we can see in the dark
We are rockets, pointed up at the stars
We are billions of beautiful hearts
And you sold us down the river too far

What about us?
What about all the times you said you had the answers?
What about us?
What about all the broken happy ever afters?
What about us?
What about all the plans that ended in disaster?
What about love? What about trust?
What about us?

We are problems that want to be solved
We are children that need to be loved
We were willing, we came when you called
But many fooled us, enough is enough

What about us?
What about all the times you said you had the answers?
What about us?
What about all the broken happy ever afters?
What about us?
What about all the plans that ended in disaster?
What about love? What about trust?
What about us?

What about us?
What about all the plans that ended in disaster?
What about love? What about trust?
What about us?

Sticks and stones they may break these bones
But then I'll be ready, are you ready?
It's the start of us, waking up, come on
Are you ready? I'll be ready
I don't want control, I want to let go
Are you ready? I'll be ready
Cause now it's time to let them know
We are ready

What about...
What about us?
What about all the times you said you had the answers?
So what about us?
What about all the broken happy ever afters?
What about us?
What about all the plans that ended in disaster?
What about love? What about trust?
What about us?

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D