Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Guia Viagem Miami: Little Havana

Fevereiro 22, 2018

little havna.jpg

Miami é tudo aquilo que imaginas e depois tem tudo o resto que já podes ter ouvido falar mas não reflecte em nada a realidade.

Na minha viagem a Miami uma dessas experiências foi a visita a Little Havanna, um dos bairros desta majestosa cidade que nos remete como o próprio nome indica para Cuba.

 

Ora Miami, aqui tão perto desse país latino, é há muitos anos um dos pontos pontos principais de destino de emigrantes cubanos para os Estados unidos. Em toda a cidade se ouve o espanhol, e há em muitos locais que nem sabem o que é inglês, ora pois é claro que a unfiicação deste povo cubano num mesmo bairro o tornou na Havana americana.

 

Aqui são muitos os cafés, restaurantes, bancas de rua, lojas de charutos que nos transportam até à capital cubana. Nas ruas a música latina faz com que os pés queiram dançar, e a anca remexer.

 

No parque homens fumando os seus charutos jogam dominó, as mulheres conversam sentadas nas escadas de entrada dos prédios, os mercados trazem produtos tropicais e muitos montam os seus negócios paralelos: oficinas, carpintarias. Ali mesmo no meio da rua se abre um capot de um automóvel e se improvisa uma oficina de mecânica.

 

A segurança não é a maior mas com tranquilidade e sem ostentar consegues percorrer o bairro sem te levantarem problemas.

 

Little Havana é sem dúvida um local a visitares se passares em Miami.

 

Atrações de Topo

Máximo Gómez Park: Um parque que nos vai relembrar de Havana e de velha Cuba com os seus velhotes a jogar dominó e xadrez e um cheiro a charutos no ar.

 

Pontos de Interesse

Bay of Pigs Museum & Library : Um pequeno museu que serve de memorial do desembarque na baia dos porcos.

 

Cuban Ocho: Uma galeria de arte que funciona como centro comunitário e centro de pesquisa de arte cubana. O interior relembra um antigo bar de charutos de Havana.

 

Cuban Memorials: Os dois quarteirões que circula na rua SW13 Avenue estão repletos de monumentos a grandes heróis cubanos, incluindo os que morreram a lutar contra Fidel. Os memoriais incluem a Eternal Torch in honnor of the 2506th Brigade (baia dos Porcos), a Cuba Brass Relief (mapa) e a Estátua da “Madonna”.

 

Little Havana Art District: Uma zona repleta de galerias de arte, não comparável em dimensão com Wynwood mas um centro onde poderemos ver arte latina.

 

Tower Theatre: Edificio histórico renovado em 1926 que foi um teatro e com uma fachada art deco. Este atual cinema é um dos centros culturais de Little Havana com exibição de filmes de linga espanhola.

 

Sugestões

Se por acaso estás a pensar petiscar algumas iguarias cubanas ou beber uns mojitos aconselho-te 3 restaurantes de qualidade: El Cristo, El Rey de Las Fritas e Los Pinarenos Fruteria.

E claro se por acaso quiseres sair à noite vai à Casa Panzo Bar. Aproveita e Diverte-te.

 

Se queres saber mais locais a visitar em Miami espereita aqui.

Guia Viagem Miami: South Beach

Fevereiro 21, 2018

miami trip.JPG

 

Miami são tantas coisas, mas para a maioria dos visitantes é glamour urbano. Chamam a Miami a cidade mágica e na realidade é. Miami são tantas coisas ... maravilhosas.

 

A maioria dos pontos de interesse, está concentrado em zonas ou bairros. O mais visitado é South Beach com as suas noites loucas, praias belas e quentes e hotéis art deco. Mas poderemos encontrar história e museus na baixa da cidade: Downtown, galerias de arte em Wynwood e no Design District , Hoteis com história em Mid-Beach, praias em Key Biscane e calma em Coral Gables e Coconut Grove.

 

Começamos então por explorar talvez dos bairros mais populares de Miami a famosa South Beach. Devido à sua extensão dividiremos South beach em duas zonas do sul à rua 11 e desta até à rua 23. Mas south Beacho ainda se vai alongar a norte num próximo post.

 

South Beach 11th to 23th street

 

Atrações de Topo

Art Deco District: Bairro central de South Beach que inicia na rua 18th e pelo sul atravessando a Ocean Drive e a Collins Avenue. O seu património arquitetónico de estilo Art Deco que se encontra preservado e nos transforma para outras eras.

 

Principais vestigios de Art Deco no bairro

Deco clássica: poderemos encontrar nas fachadas do Cardozo Hotel, Carlyle Hotel, Essex House Hotel, Na estação de nadadores salvadores, na Jerry’s Famous Deli – Edificio da Hoffman Cafeteria.

 

Elementos Deco estão presentes em inúmeros locais mas os mais emblemáticos serão o Crescent Hotel, Waldorf towers Hotel, colony Hotel Cavalier south Beach e Wolfsonian-FIU.

 

Depois temos modernos hotéis que adotaram este estilo arquitectónico, sendo eles Hotel Victor, Delano Hotel, Tides, James Royal Palm Hotel e o Surfcomber.

 

Pontos de Interesse:

1111 Lincoln road: Este edifício, Nº1111, situado na Rua Lincoln é um dos parques de estacionamento mais estranho existente.

 

Art Center/ south Florida: È um centro de arte, ou galeria que alberga alguns dos mais promissores artistas da atualidade

 

Bass Museum of Art: O melhor museu de arte em Miami, desenhado em 1930 por Russell Pancoast é um museu com visão futurista mas alberga pintura desde o século 16. O Bass forma assim o triangulo das artes com o Ballet de Miami e a Biblioteca regional, tudo isto no Collins Park Cultural Center

 

Española Way Promenade: Um verdadeiro passeio espanhol com a sua arquitetura autêntica, chão de terracota e arquitetura típica. Há tarde aos fins de semana alberga o mercado de artesanato.

 

Holocaust Memorial: Um momumento que honra as vitimas judias do holocaust Nazi.

 

Lincoln road Mall: Basicamente esta rua é um centro comercial ao ar livre, mas além de compras esta rua serve para apreciar e ser apreciado.

 

Miami Beach Botanic Garden: Jardim botânico de Miami onde o paraíso secreto se esconde na selva urbana

 

Miami Beach Community Church: Uma igreja de estilo espanhol, simples, modesta que contrasta com os edifícios que a rodeiam. Os Vitrais são o ponto forte desta igreja.

 

New World Center: O maior edificio de espetáculos da cidade.

 

Posto correios: Edifício histórico de 1937 que foi o primeiro projeto de renovação nos anos 70.

 

Tempel Emanu-el: Uma sinagoga um pouco invulgar situado no coração de South Beach

 

World Erotic Art museum: O museu que retrata a história erótica do mundo com uma coleção de mais de 5000 peças de onde se destaca o grande “Gold Dick”.

beach.jpg

 

South Beach 1st to 11th Street

 

Pontos de Interesse:

Woldonian FIU: O museu do design que leva-te ao contexto da cidade. Importante para perceber os movimentos artísticos da cidade.

 

Jewish Museum of Florida: Localizado na mais antiga sinagoga de Miami, este pequeno museu gratuito conta a história dos judeus em Miami Beach.

 

Ocean Drive: A Avenida junto ao mar mais famosa de Miami, um dos pontos principais para hoteis e restaurants de qualidade, uma avenida repleta de carros clássicos, teosterona, mulheres vistosas, celebridades e turistas.

 

Promenade: Um “calçadão” em frente à praia que se encontra a Ocean Drive a Praia e que sextende desde a rua 5th até à 15th. Com uma linha de palmeiras e brisa marinha o que faz dela um ótimo local para relaxar, passear os cães, skaters.

 

South Pointe Park: Um parque publico na ponta sul de South Beach.

 

Acompanha toda a viagem em Trip Miami

 

 

 

 

Os simpsons e eu...

Fevereiro 20, 2018

finalsimpsons.jpg

Ontem foi dia de estar a curtir uma noite de Simpsons...

Há anos que sigo a série ao longo das muitas temporadas, ontem a Fox comedy estreou a 27ª temporada da familia amarela e claro está que tive de ver este episódio que ainda não tinha apreciado.

Desde 1989, que esta série de animáção cómica estreou, criada por Matt Groening para a Fox recirando e satirizando as muitas familias de classe média dos EUA, mas que se  adapta a qualuqer canto do mundo.

Apesar de ainda não ter estreado no país de origem a série conta com 30 temporadas (negociadas até agora).

Dos primórdios até hoje os desnehos de animação foram sendo modificados, melhorados e adaptados ao anos que percorriam, influenciando jovens e adultos.

O bêbado e preguiçoso chefe de família Homer simpson, a doméstica e extremosa mãe Marge Simpson, a estudiosa Lisa, o arruaceiro Bart ou a "sempre" bébe Maggie há anos que fazem partem da minha vida.

Assumo: sou um super fã da série e ainda há poucos meses tive a sorte de entrar em Springfield para os conhecer aquando a minha visista à Universal studios de Orlando.

Portanto sempre que o tema dos Simpsons, composição de Danny Elfman, ecoar numa televisão eu tal como eles vou a correr sentar-me no sofá.

Viva Trump! Viva United States!

Novembro 09, 2016

TRUMP.jpg

 

Apesar de não ser a pessoa mais indicada para o cargo de presidente do mundo, sim para mim esta eleição é mesmo isso, não posso deixar de o felicitar e de ter tido guerrilha para combater uma campanha mundial contra ele.

Neste momento, está provado que os americanos querem uma mudança na política nacional e mundial, expressaram-se e deram uma abada à Hillary. Mas o mundo está repleto de medo, reuniões de emergência na China, as bolsas em queda, etc...

Mas Trump não é nenhum bicho papão. OK, tem políticas nacionalistas e protecionistas mas isso não quer dizer racistas.

As grandes promessas de Trump passavam pelo controlo da imigração mais apertado, pela deportação de imigrantes clandestinos, acabar com lobbies da casa brancas e dos políticos, baixar impostos, medidas protecionistas no comércio externo, retirar o exercito americano das bases de proteção dos aliados, acabar com o Daesh, acabar com a política verde, acabar com o obamacare.

Ora não vejo nenhum drama nestas promessas eleitorais, Trump sabe o valor do seu país e quer estimular a própria economia nacional em deterioramento das importações da Europa e principalmente da Ásia, quer acabar com imigrantes ilegais que fazem com que os ordenados de certas profissões afastem os nativos desses postos de trabalho.

Quer um controlo na fronteira (OK o muro parece demasiado) mas a Europa toda não faz o mesmo ao pagar à Turquia para manter longe os refugiados, quer acabar com as políticas verdes de emissão de gases (pelo menos diz o que pensa em vez de dissimular e alterar motores como a Alemanha e a Volkswagen).

Quer que o mundo pague pela proteção militar dos EUA, mas será assim tão absurdo? Não me parece. Quer acabar com a força do terrorismo com bombas. Parece mal? Talvez, mas as palavras e o diálogo acho que não resulta.

Enfim, daqui a uns tempos veremos se esta escolha é assim tão prejudicial para os americanos. Quanto ao mundo se isto for prejudicial só demonstra a dependência deste país, e nesse caso as más políticas que existem há diversos anos e que fizeram com que tivéssemos chegado ao estado em que estamos.

Até lá, calma na maionese, não podemos também esquecer que este homem é um Showman portanto nem tudo o que parece é!

Seja como for... God Bless America...

logo com assinatura cor.jpg

 

Estreia Jardim Zoológico de Cristal

Novembro 11, 2015

PS_20151111153033.jpg

 Estreia hoje no Teatro São Luiz, em Lisboa, a grande obra-prima do dramaturgo americano Tennessee Williams: Jardim Zoológico de Cristal.

O drama intenso que irá deambular pelo palco é considerado por muitos a peça mais biográfica de Tennessee, decorre nos anos 30 em plena grande depressão dos EUA.

Com personagens densas e complexas a peça é um desafio à compreensão humana e ao sonho. Tom é um poeta, cinéfilo, alcoólico que se vê preso a uma vida suja numa fábrica de sapatos para sustentar a sua família. Amanda, sua mãe que foi abandonada pelo misterioso marido, é uma mulher amargurada, pesada, ideológica, controladora e uma das personagens chave deste drama. Depois temos Laura uma frágil e doente menina com uma deficiência física que se refugia junto de um sem numero de pequenos bonecos de cristal que representam animais – o seu jardim zoológico de cristal. E por fim temos Jim, o amigo de Tom e potencial marido de Laura.

“Glass Menagerie” conta com tradução de Fernando Villas Boas e encenação de Sandra Faleiro. A desempenhar estes ambiciosos papeis encontra-se a veterana e fabulosa Cucha Carvalheiro, Inês Pereira, João Vicente e Pedro Lacerda.

A peça estará em cena desde hoje até dia 22 do corrente mês na sala principal e os bilhetes são bastante acessíveis (além de existir desconto para jovens, seniores, grupos e sócios do Cartão Maria e Luiz).

Amanhã quero lá estar e depois obviamente que direi alguma coisa.

Selvagem ou livre – WILD uma história real

Julho 08, 2015

wild hor.jpg

 

Quando estou a precisar de descansar e isolar-me do mundo tenho dois hábitos: leio um livro que me transporta para paraísos imaginários ou sento-me num sofá e vejo um filme que me consiga transportar para bem longe do mundo real.

Como estava a precisar exatamente de voar do meu sofá para fora, assisti a um filme do ano passado Wild, que colheu boas críticas principalmente pelo desempenho da atriz principal.

Livre, no original Wild, é um filme de 2014 com realização de Jean Marc Vallée (o mesmo de Clube de Dallas) e tem como elenco principal a bonita e maravilhosa atriz Reese Witherspoon e Laura Dern.

O argumento de Nick Hornby é baseado em Wild: From lost to found on the Pacific Crest Trail, de Cheryl Strayed, portanto baseia-se numa história real de uma mulher que partiu à descoberta do seu ser por um caminho tenebroso nos EUA.

Cheryl, uma mulher jovem de família bastante pobre nos Estados Unidos da América, vive dedicada à sua família (mãe, irmão e marido), talvez porque desde criança via a sua mãe ser alvo de violência por parte do seu pai. Foi por isto que fugiram.

Com a morte da sua mãe, Cheryl entra num abismo repleto de heroína, sexo com quem aparecia, bebida, desemprego, divórcio. Está perdida, sente vergonha da sua pessoa e sente que desiludiu a mãe.

Então sem qualquer tipo de preparação decide encontra-se consigo própria, percorrendo a PTC, ou seja, o trilho da Costa do Pacífico que liga todos os Estados Unidos da América desde a Fronteira com o México até à fronteira com o Canadá. Por um caminho sem fim, passando por desertos, por montanhas, por neve, por florestas, esta mulher vai lutando, além das dificuldades físicas, por se encontrar, por saber o seu futuro recordando o seu passado.

Um filme que adorei e que realmente nos faz pensar sobre o nosso Eu.

Saudades da Broadway

Julho 04, 2015

 

Uma amiga minha visita todos os anos Nova Iorque, eu pensava que ela era doida. Mas depois de visitar a big apple percebi.

Eu também quero voltar.

Quero entrar naquele mundo, quero que as luzes voltem a iluminar o meu rosto.

Nunca vou esquecer por isso acho que está na hora de voltar aquelas salas de espetáculos repletas de magia.

Pippin o meu primeiro broadway show...

Adeus a BB King e um Oi a Roberto Carlos

Maio 15, 2015

Roberto e BB.jpg

 

B.B. King, o músico considerado por muitos como o rei do “Blues” morreu esta madrugada nos Estados unidos América, mais propriamente em Las Vegas com 89 anos de idade.

Este gigantesco músico, nascido nas margens do Mississipi em 1925, ainda efetuava mais de uma centena de espetáculos por ano, no entanto, a grave doença de diabetes ditou o seu fim.

Ficará eternizado em muitos vinis e cd’s que os seus fãs possuem.

Ainda vivo e a esgotar 2 sessões de Meo Arena e mais 2 concertos no norte do país está Roberto Carlos, o músico e cantor brasileiro, que para muito é considerado o Rei da Música Brasileira.

Gostando ou não, temos de dar valor a este homem que editou quase 1 álbum por ano em toda a sua carreira, que já é longuíssima, com cerca de 56 anos de atividade musical.

Sendo mais velho ou mais novo, toda a gente conhece algumas das suas músicas, até porque continuam a dominar em bares de karaoke e concursos televisivos.

RIP BB King ...

Oi Roberto.

Selma - A Marcha da Liberdade

Abril 10, 2015

selma.jpg

 

Já algum tempo que queria ver este filme, mas ainda não tinha surgido a oportunidade.

Ontem foi o dia.

Selma, é um filme de Dezembro de 2014, realizado por Ava Duvernay e escrito por Paul Wehb, e protagonizado por uma constelação de estrelas negras como David Oyelowo, Carmen Ejogo, o branco Tom Wilkinson e a maior apresentadora mundial Oprah Winfrey.

A película, quase gravada em modo documentário “romanceado”, retrata um dos grandes momentos históricos da nação americana, a marcha pelo direito de votar dos negros na cidade de Selma.

Este facto fez com que os negros, que já podiam votar, não tivessem tantos entraves à sua inscrição na lista de votos, e pudessem de modo liberal e com igualdade votar naqueles que seriam os seus líderes políticos. Hoje em dia, parece anedótico, o país multicultural EUA numa situação destas, com Obama na presidência.

As coisas não eram fáceis nesses anos de 1965, as lutas e revoltas negras corriam os noticiários de todo o mundo. Quem conhecer um pouco da história americana conhecerá os grandes lideres negros como Malcom X ou Mather Luther King.

É King que protagoniza esta marcha, após ter vencido o prémio Nobel da paz, tal como o jovem John Lewis, que mais tarde foi congressista durante anos. King é o rei negro nos EUA porque conseguiu levar a bom porto todos os seus ideais, sempre com manifestações pacificas.

O filme parece-me estar bastante real, e com uma grande qualidade de reprodução histórica. A isso os meus parabéns.

Depois saliento do elenco o grande desempenho de David Oyelowo, que foi nomeado para o Óscar e ganhou o prémio de ator drama nos globos de ouro. Esta estatueta foi bastante merecida.

Um filme dramático poderoso, que inspira qualquer um, talvez por isso tenha colhido 4 globos de ouro: melhor filme, melhor ator, realizador, e melhor canção original.

Glory que além do globo de ouro conseguiu arrecadar também o Óscar é verdadeiramente estrondosa. Grande obra de John Legend e Common.

Não é o melhor filme do mundo, mas é uma grande obra dentro do género. A quem não viu aconselho a ver, a quem já viu e gostou aconselho a ver também o Mordomo de 2013 que aborda uma temática mais centralizada no negro que esteve 30 anos como mordomo na casa branca, mas que também aborda a temática deste filme.

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D