Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Um ano depois do colapso do BES - insider pointview

Agosto 03, 2015

bes.jpg

 

Parece mentira mas é verdade, já passou um ano desde o dia do Colapso.

... E Tudo se avizinhava calmo... Apesar das muitas notícias que circulavam na imprensa e de boca em boca, iria entrar mais um mês de Agosto, onde por norma o fluxo dos balcões em Lisboa acalma um pouco.

O aumento de capital do Banco Espírito Santo tinha sido um sucesso, mas o valor das ações caíra drasticamente e debatia-se a credibilidade e continuidade do banco. Naquela sexta-feira final de Julho, no final de um dia de trabalho por volta das 19 horas, em jeito de brincadeira com os meus colegas disse: como isto está segunda-feira o banco está fechado.

Não sei se seria intuição, se eram artes mágicas ou de magia negra, mas a verdade é que nesse fim de semana as noticias multiplicaram-se, o desastre aconteceu, e no primeiro Domingo de Agosto de 2014 era criado o Novo Banco, depois da separação das águas, da intervenção do Banco de Portugal e do fundo de Resolução.

Tenho a certeza que nunca existiu um Domingo em que todos nós empregados do antigo BES pensássemos tanto no nosso banco, na nossa história e principalmente no nosso futuro.

Naquela segunda-feira foi o caos, quando as portas se abriram às 8 e meia da manhã as filas davam a volta ao quarteirão, os nossos clientes apesar de na sua maioria estarem salvaguardados com toda a situação criada, estavam com medo, receio, tinham incerteza quanto ao futuro, ao nosso, ao deles, ao do banco, ao do país.

E nós, empregados deste Novo Banco com muita pouca informação abrimos as portas e demos o peito às balas. Antes de dormir despimos a camisola do BES e nessa segunda-feira vestimos a camisola Nova, uma camisola de uma equipa forte e unida, das melhores do mercado, mas sem técnico, sem presidente, sem ninguém.

Costuma-se dizer que em caso de naufrágio os ratos são os primeiros a abandonar o barco. Pois qual será o animal que em plena tormenta, com o barco praticamente afundado salta lá para dentro? Não sei, mas tenho a certeza que nesse dia, eu e os meus 5999 colegas assumimos um lugar no leme deste navio, um navio sem comandante, um navio perdido em marés enormes, um navio que tinha um mundo a puxá-lo para baixo mas que tinha marinheiros que se agarraram à Esperança.

Aquele que podia ser um mês calmo, foi sem dúvida o pior mês de trabalho da minha vida. As perguntas que não sabíamos responder, a calma que tínhamos de manter quando toda a gente estava em pânico, incluindo nós, algumas almas que desesperavam, outras que não aguentavam a pressão e acabavam em choro. Eu vi isto tudo, eu vivi isto tudo, mas parece que sobrevivemos.

Hoje, um ano depois, ainda não sabemos o nosso futuro, sabemos que por meados deste mês havemos de ter novos acionistas, chineses ou americanos, que vamos ter muito trabalho pela frente para voltarmos a ser o banco privado numero 1 de Portugal, mas aquilo que manteve este banco vivo fomos nós e todos os clientes que acreditaram, por isso acho que vamos triunfar.

Hoje para mim é dia de festejar a coragem destes trabalhadores. Parabéns a nós.

nb.jpg

 Nascer com o empenho de 6000 colaboradores foi a salvação.

E depois da Grécia?

Junho 29, 2015

bandeiras.jpg

 

E será que se aproxima o fim da União Europeia?

A questão da Grécia continua esta semana a ser a ordem do dia, ou melhor, a ordem de todos os dias. Amanhã vence-se o prazo para pagamento da tranche de dívida ao FMI e a Grécia não pagando, o que parece que vai mesmo acontecer, entra em Default.

Durante os últimos dias existiu a tentativa de negociações entre a Troika e o governo grego de forma a ultrapassarem esta questão. Uns não cederam na implementação de medidas de austeridade, outros não perdoam a dívida nem a renegoceiam.

Então no próximo domingo os gregos vão dirigir-se às urnas para realmente saber o seu futuro, a escolha é entre se aceitam a austeridade ou pelo contrário não pagam a sua dívida. As consequências são imprevisíveis e poderão significar a saída da Grécia da Zona Euro e quem sabe da união europeia.

Ponho-me a pensar, será que os gregos estão assim tão errados?

O exemplo do país Europeu que faliu e que se borrifou nos credores foi a Finlândia, e pois não é que estão em grande crescimento económico.

E se isto se alastra a outros países, não será o fim da Europa tal como a conhecemos?

A Europa neste momento vive uma crise gigantesca quer económica, quer política, e parece que os seus cabecilhas não sabem governar este barco tão gigantesco.

Portugal cá estará como sempre no cantinho, pobre, cantando uns fados às suas ninfas e esperando que o Destino seja melhor.

Mas será que não viveríamos melhor sem a Europa?

É uma pergunta que dificilmente consigo responder, ou que ninguém conseguirá, pois é difícil prever o futuro ou situações irreais.

Mas na minha opinião tal com Afonso Henriques se libertou de Espanha, e como nos séculos seguintes Portugal se voltou para o resto do mundo, está na hora de deixarmos de ser tão europeístas e nos tornarmos "mundialistas". É verdade que somos um pequeno território, mas também é verdade que temos uma grande costa marítima, estamos estrategicamente e geograficamente bem posicionados, temos uma grande plataforma de mar e temos a audácia que sempre nos caracterizou.

Portanto, se isto correr mal, podemos sempre improvisar – e é algo que nos caracteriza tão bem – e correr em busca de velhos novos mundos.

Eu acredito num Futuro sem a União Europeia.

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D