Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rotas do Mundo

Pedro around the World... My life, my dreams, my favourite things

Um dia em Trier (roteiro)

Julho 05, 2017

igreja.JPG

 

Trier ou Tréveris é uma cidade histórica alemã bem pertinho do Luxemburgo, ora não desperdiçamos a hipótese de conhecer mais um local para o nosso “curriculum” e então lá demos um saltinho de comboio do Luxemburgo até esta pouco conhecida cidade (o bilhete de comboio que parte regularmente da gare central do Luxemburgo custa 9€ e cobre ida e volta).

 

Esta cidade histórica, foi fundada no século I como “Augusta Treverorum”, supostamente pelo imperador romano Augusto. A cidade torna-se no século 3 e 4 como a sede do governo do império e foi capital da província Bélgica Prima.

 

Devido à enorme importância, séculos mais tarde, foi totalmente devastada pelas invasões germânicas, e Tréveris nunca mais voltou aos dias de então, chegando a ter no século 17 apenas 3600 habitantes. A partir dessa data a cidade tem vindo a aumentar os seus habitantes, reconstruíram os edifícios e mantiveram as ruínas romanas. Hoje vive essencialmente do turismo e da vinha (aqui os vinhos e espumantes ganham visibilidade).

Penso que este enquadramento histórico seja importante para conhecer esta cidade e os seus principais monumentos.

 

O nosso dia começou bem cedo na Porta Negra, aliás pela experiência detetada, aconselho vivamente a quem descobrir esta cidade que comece a sua exploração por este monumento. É um edifício central e a apenas 10 minutos a pé da Trier Gare.

 

Vamos então conhecer alguns dos pontos de maior interesse:

porta negra.JPG

Porta Negra ou Porta Nigra – é a porta romana que daria acesso à antiga cidade romana de Trier, hoje em dia dá acesso à zona comercial e pedestre. Esta porta, datada de 180 AC, é considerada como a porta romana mais bem preservada do mundo, e na minha opinião é uma construção formidável, um vestígio romano como há poucos.

 

Colégio de Simeão ou Simeonstift – bem pertinho da Porta Negra ergue-se este colégio, outrora residência de padres com duas capelas, hoje transformado no museu municipal com uma coleção riquíssima desde os períodos romanos, medievais e modernos.

house.JPG

Casa dos 3 Magos ou Deikönigenhaus – um edifício que outrora foi a câmara municipal medieval (1230), hoje alberga comércio, mas não podemos deixar passar a sua fachada com estilos medievais.

 

Ala Judaica ou Judengasse – um túnel leve-nos até À antiga área judaica. Existem registos judeus desde o século 2. Uma zona bonita e muito pitoresca. Depois do holocausto nazi a zona perdeu praticamente todos os judeus.

praca.JPG

Praça do Mercado ou Hauptmakt – denominada deste modo pois em 882 AC foi aqui instalada a primeira praça comercial após a destruição germânica. Ainda hoje se pode apreciar uma coluna da cruz (marktkreuz) que data dessa era. A praça do mercado ainda hoje alberga o mercado, mas o seu maior esplendor é sem dúvida os edifícios que a circulam como: a Casa de Hóspedes (Steipe datada do século 16), a Casa Vermelha (Rotes Haus de 1683), a Farmácia mais antiga da Alemanha (Löwenapotheke do século XIII); e a Fonte de São Pedro (Petrusbrunnen) datada de 1495 com esculturas de São Pedro e das Quatro Virtudes.

catedral.JPG

Catedral – incorpora os restos de uma antiga igreja do século IV (igreja de São Pedro). Trata-se da mais antiga igreja da Alemanha, erguida em diversas etapas —do século 11 ao 14. Tem a forma de basílica com nave tripla, dois coros, transepto e seis torres. Na parte interna estão peças magníficas, como o túmulo do enviado papal Ivo (1134) e o altar da sepultura do arcebispo Richard Von Greifenclau (1531).

igreja prin.JPG

Igreja de Nossa Senhora ou Liebfrauenkirche – Edificio Contíguo à catedral, foi construída em 1235 sendo um dos primeiros exemplos da arquitetura gótica alemã. A planta foi baseada na cruz grega e a torre acima da cúpula acentua a intersecção das naves. O portal oeste é ricamente decorado com ornamentos. Na parte interna observam-se magníficas relíquias, entre elas os frescos do século 15 pintados em doze colunas, que simbolizam os apostólos.

ala papalatina.JPG

palacio.JPG

Aula Palatina ou Konstantinsbasilika – Esta Basílica data de 310DC , é uma construção de tijolos com forma alongada e retangular. Mede 67 m de comprimento, 27,5 m de largura e 30 m de altura e exibe uma grandea abside semicircular, que abrigava o trono do imperador romano. No século 17, o Aula Palatina passou a fazer parte do recém construído Palácio Eleitoral (Kurfürstliches Palais) e a parede leste foi parcialmente demolida. O rei Frederico Guilherme IV da Prússia ordenou a reconstrução da Aula Palatina, que desde 1856 abriga a igreja protestante de São Salvador.

 

Termas imperiais ou Kaiserthermen – Construídas no início do século 4, durante o reinado de Cosntantino, elas eram o terceiro maior complexo de termas do mundo romano. As ruínas das paredes e fundações ainda exibem o desenho original. As paredes do caldário (a sala com piscina de água quente) são as mais preservadas. Depois vem o tepidário, as termas mornas. O espaçoso frigidário era usado para os banhos frios e a palestra, uma área externa para os exercícios, também era ampla. Outra parte remanescente é o sistema de aquecimento (hipocausto), no qual o ar era aquecido por fornalhas e conduzido por baixo do piso.

anfiteatro.JPG

Anfiteatro – Perto das termas imperiais ficam as ruínas do anfiteatro romano do século I, cenário de lutas de gladiadores e competições de animais. Toda a estrutura, constituída de uma arena elíptica e uma arquibancada, era cercada por uma muralha alta, dividida em andares por arcadas. No século, os habitantes de Tréveris usavam o anfiteatro como refúgio durante os frequentes ataques das tribos germânicas.

 

Termas de Bárbara – são mais um exemplo de termas romanas de Trier, datadas do século 2. Apesar de em ruínas ainda podemos vislumbrar o fabuloso sistema subterrâneo, as piscinas e o sistema de aquecimento.

ponte.JPG

Ponte Romana – situado na porta oeste da cidade ergue-se a ponte datada de 144AC

 

casa marx.JPG

Casa de Karl Marx – casa museu onde em 05 Maio de 1818 terá nascido Karl Marx, filósofo e pensador que escreveu “O Capital” e o “Manifestos Comunistas”. A casa além de museu sobre o próprio e um excelente exemplo de uma casa burguesa de 1727

 

Igreja são Paulo – Igreja católica datada de 1734 com tetos maravilhosamente pintados e um altas esculpido por Ferdinand Tietz.

 

Aproveita esta visita e delicia-te com um famoso prato alemão regado por um bom espumante da região. De certeza que vai ficar deliciado.

 

Acompanha toda esta aventura por Terras do Luxemburgo.

Luxemburgo Roteiro de 4 dias

Junho 27, 2017

Slide1.JPG

Num City Break pela Europa, as Rotas do Mundo elegeram o pequeno país do Luxemburgo – o único grão-ducado do mundo.

Partimos em voo low-cost da companhia easyjet de Lisboa em direção à cidade o Luxemburgo, perto de 3 horas e chegámos ao destino, a viagem foi efetuada ao final do dia o que nos permitiu começar o “amanhã” bem cedo a deambular pela cidade.

Optámos por ficar sediados diariamente no mesmo hotel – Hotel Bristol – um hotel simples, familiar e que cumpre os requisitos de higiene e conforto para este city break.

 

Dia 1

Após o pequeno almoço começamos a palmilhar a cidade. O nosso hotel ficava no bairro da Gare Central, o que significa que 5 minutos a pé e passando o viaduc estávamos na vila alta (uma das zonas mais turísticas e com mais pontos de interesse), começamos por ver alguns monumentos, catedral, corniche, memorial e descemos no elevador até à parte baixa da cidade Grund (o elevador é gratuito).

Depois de conhecermos esta zona baixa da cidade e ficarmos deslumbrados com as paisagens voltámos a subir à cidade alta onde visitámos o Museu da história da Cidade e o MNHA, além da igrejas e praças que compõem a cidade.

Entre os vários edifícios e locais visitados parámos para almoçar uma refeição leve num dos cafés perto da Praça do Palácio Ducal. Aqui é que começa a notar a diferença do poder económico dos luxemburgueses (não contem com menos de 15€ para comer umas sandes ou saladas e sumos).

Para finalizar o dia, percorremos a Ponte Adolphe e entrámos na Avenida da Liberdade para um entardecer mais comercial. Esta altura do ano (Junho) é fabulosa pois anoitece perto das 22H00 o que nos dá muito tempo para usufruir da cidade.

Ao jantar optámos por fazer uma extravagância e deliciarmo-nos num dos restaurantes na Praça das Armas – Grand Café by Redbeef.

Slide2.JPG

Acompanha em pormenor este dia no post roteiro da "ville" do Luxemburgo

Dia 2

O dia foi destinado a conhecer a zona norte do país, mais propriamente a vila de Vianden e Beaufort.

Para chegar até estas vilas é bastante simples e barato. Com apenas 4 euros consegue adquirir um bilhete de transportes públicos diários que o permitem andar em todos os autocarros e comboios dentro do país.

Com partida da Gare Central metemo-nos num comboio com destino a Diekirch, saindo na penúltima estação Ettelbruck. Aqui apanhámos o autocarro (Linha 570) com destino a Vianden.

Vianden uma vila maravilhosa coroada com o castelo é obrigatório na visita que fizer a este país.

Após percorremos a vila e visitarmos o castelo (atenção para chegar ao castelo tem duas opções ou vai a pé pelos cerca de 1.5km ou táxi), almoçámos num café na avenida principal na margem do rio Our.

Logo de seguida apanhámos um novo autocarro que liga Vianden a Dierkich (linha 570) e posteriormente um outro que nos ligou a Beaufort (Linha 505).

A vila de Beaufort é bastante pequena, diria antes que é uma aldeia no meio dos montes verdejantes da pequena Suiça, nome pelo que os luxemburgueses tratam esta zona. Nesta vila brilham as ruinas do castelo medieval e o castelo renascentista. Até aos castelos conte com uma boa caminha de 15 minutos.

Ao final da tarde regresso ao Luxemburgo de autocarro (Linha 502) onde jantámos num restaurante local.

 

Slide3.JPG

 

Dia 3

O Terceiro dia foi o eleito para dar um saltinho à Alemanha, mais propriamente à cidade de Trier ou Trevéris, a primeira cidade alemã fundada ainda no século X pelos romanos.

Além, dos muitos vestígios romanos destaca-se a visita à Casa de Karl Marx.

Para chegar à cidade é simples, basta deslocar-se até à Gare Central e apanhar um dos comboios com destino a Trier. O bilhete custa 9 euros e contempla ida e volta para a cidade, no entanto caso deseje pode comprar um bilhete de 14€ e poderá deslocar-se o dia todo entre as estações da linha que ligam Luxemburgo a Trier.

Acompanha em pormenor esta aventura em Trier

Slide4.JPG

Dia 4

Dia de continuar a percorrer a “Ville” do Luxemburgo e conhecer o que estava em falta.

Apostámos na zona norte da cidade conhecida por Bairro europeu e pela zona dos museus como o MUDAM. Para lá chegar uma vez que fica a uns 3km’s optámos por alugar bicicletas.

Para alugar uma bicicleta pública necessita de deter um cartão de crédito para ser bloqueado uma caução de 150€ em caso de não devolução do veículo. O custo por hora é cerca de 2€.

Após últimos passeios e ao final do dia fomos para o aeroporto para apanhar o avião de regresso a casa. A ligação ao aeroporto é muito fácil basta apanhar o aero bus que passa de 20 em 20 minutos e tem o custo de 4 euros.

 

Luxemburgo, surpreendeu-me pela beleza das paisagens, pelo património arquitetónico e histórico e pela simpatia dos luxemburgueses (ou de muitos portugueses, pois quase 20% da população do país é de origem lusitana).

 

Acompanha tudo da viagem integreal em Luxemburgo.

about me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D